Da fazenda à cidade: a territorialização da dádiva na formação de Poço Fundo (MG)

  • Ana Claudia Lyra Antropologia do Espaço da EHESS/Paris, Campinas, São Paulo
Palavras-chave: Dádiva, espaço geográfico e rural, poder político local, Poço Fundo, territorialização.

Resumo

Resumo: O artigo analisa a prática social da doação de terras como uma das baseshistóricas de formação dos atuais campos de poder econômico e político que estruturam o espaço físico, social e simbólico da cidade de Poço Fundo (MG). Com base em insights presentes no exame antropológico da dádiva realizado por Mauss, investigo a lógica sociossimbólica da doação de terras pelos fazendeiros e a dinâmica de subordinação política que tais doações põem em jogo na cidade, transformando os fazendeiros doadores em chefes locais. Como parte de um estudo histórico mais amplo da formação do espaço sociogeográfico de Poço Fundo, pretendo indicaro processo de “territorialização da dádiva” como um dos desdobramentos da sua “matrizterritorial”, isto é, da tradicional fazenda cafeeira, um modelo de organização sociossimbólicado território que prepondera até hoje nas formas pelas quais a cidade é social e culturalmente percebida, apropriada e vivenciada pelos seus habitantes.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAILLY, A. Les représentations en géographie. Annales de Géographie, Paris, n.621, p.371-83, set.-out. 2001.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1987.

DI MÉO, G. De l’espace subjectif à l’espace objectif: l’itinéraire du labyrinthe. L’espace Géographique, Paris, n.4, p.359-73, 1990-1991.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 2008.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1990.

GODELIER, M. L’énigme du don. França: Fayard, 1996.

HOFFMAN, O. Les points d’ancrage d’un territoire à la dérive au Mexique. In: CLAVAL, P.; SINGARAVELOU (Dir.) Ethnogéographies, Paris: L’Harmattan, p.201-25, 1995.

JODELET, D. Représentation sociale: phénomènes, concept et théorie. In: MOSCOVICI, S. (Dir.) Psychologie sociale. Paris: quadrige/puf, p.363-84, 2005.

LÉVI-STRAUSS, C. As organizações Dualistas Existem? Antropologia Estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, p.155-89, 1989.

MAUSS, M. O ensaio sobre a dádiva. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1988.

QUEIROZ, M. I. P. O mandonismo local na vida política brasileira e outros ensaios. São Paulo: Alfa-ômega, 1976.

SAHLINS, M. Ilhas de História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1990.

SAUTTER, G. Géographie et anthropologie. Annales de Géographie. Paris: Armand Colin, n.621, p.207-219, set.-out. 2001.

VILAÇA, M. V.; ALBUQUERQUE, R. C. Coronel, coronéis. Rio de Janeiro/ Brasília: Tempo brasileiro/Universidade de Brasília, 1978.

WEIMER, G. Arquitetura popular brasileira. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Publicado
2011-05-31
Seção
Artigos