Recife, a noiva da revolução: entre os circuitos espaciais da inclusão/exclusão e a resistência urbana contemporânea | Recife, the bride of the revolution: between the spatial circuits of inclusion/exclusion and contemporary urban resistance

  • Alexandre Sabino do Nascimento Universidade de Pernambuco, Petrolina, PE
Palavras-chave: cidades rebeldes, circuitos espaciais da inclusão/ exclusão, movimentos sociais, metrópole, reestruturação urbana, Recife, direito à cidade.

Resumo

Para alcançar o conclamado direito à cidade são necessárias políticas urbanas de estruturação e planejamento verdadeiramente democráticas e que atuem, sobretudo, na regulação do uso e ocupação do solo. Tais políticas só são possíveis por meio de uma práxis urbana fundamentada em instrumentos de democracia direta. Neste artigo, analisamos o caráter protagonista e revolucionário do Recife na história brasileira, ligando-o às contradições sociais e à evolução dessa cidade como uma das mais desiguais do país. O Recife é, atualmente, palco de uma produção do espaço associada a inovações e a projetos urbanos que produzem circuitos espaciais de inclusão/exclusão, com destaque para o Projeto Novo Recife. Todo esse conjunto de elementos recrudesce o caráter segregativo da cidade e também dá margem para o surgimento de movimentos sociais com estratégias e táticas voltadas para a construção de uma nova prática social, marcada por tentativas de educação para a práxis urbana e por atos de ocupação do espaço público, como pode ser visto, por exemplo, nas atividades culturais e políticas realizadas na região do Cais Estelita. Esse cais, além de ser o local onde se insere o Projeto Novo Recife, é cenário de experiências revolucionárias relacionadas à questão urbana.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Sabino do Nascimento, Universidade de Pernambuco, Petrolina, PE

Professor Adjunto de Geografia da Universidade de Pernambuco. Doutor em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal de Pernambuco (2012.1), Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Ceará, Bacharel e Licenciado em Geografia pela Universidade Estadual do Ceará (2003/2005). Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia Urbana e Econômica, atuando principalmente nos seguintes temas: Produção do Espaço Urbano e Financeirização da Economia; Relação Público-Privado na Produção do Espaço; Reestruturação e Desenvolvimento Urbano-Regional, Megaprojetos e Megaeventos. Faz parte do Grupo de Pesquisa em Inovação, Tecnologia e Território - GRITT do Departamento de Ciências Geográficas da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

BARBOSA, D. T. Novos recifes, velhos negócios: política da paisagem no processo contemporâneo de transformações da bacia do Pina – Recife/PE: uma análise do Projeto Novo Recife. 2014. 245 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2014.

CASTELLS, M. Cidade, democracia e socialismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: Movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

BITOUN, J. et al. Região Metropolitana do Recife no Contexto de Pernambuco no Censo 2010. Recife: Observatório das Metrópoles, 2010.

COMPANS, R. Empreendedorismo urbano: entre o discurso e a prática. São Paulo: Unesp, 2005.

CORRÊA, R. L. Inovações espaciais urbanas: algumas reflexões. Revista Cidades, Presidente Prudente, v. 7, n. 11, p. 149-159, 2010.

DIREITOS URBANOS. Perguntas Frequentes – Projeto Novo Recife. v 1.3. Direitos Urbanos, Recife, dez. 2012. Disponível em: <https://direitosurbanos.wordpress.com/faqs/faq-projeto-novo-recife/>. Acesso em: 20 ago. 2015.

DIREITOS URBANOS. . O que a luta pelo direito à cidade tem a ver com o Ocupe Estelita? Direitos Urbanos, Recife, 27 maio 2014. Disponível em: <https://direitosurbanos.wordpress.com/2014/05/27/o-que-a-luta-pelo-direito-a-cidade-tem-a-ver-com-o-ocupe-estelita/>. Acesso em: 20 ago. 2015.

FILGUEIRAS, M. Produção cultural do Movimento Ocupe Estelita ganha fôlego no Recife e já é chamada de ‘novo mangue beat’. O Globo, Rio de Janeiro, 4 dez. 2014. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/cultura/producao-cultural-do-movimento-ocupe-estelita-ganha-folego-no-recife-ja-chamada-de-novo-mangue-beat-14730838>. Acesso: 5 dez. 2014.

FREITAS, A. Recife tem maior variação no preço do metro quadrado de imóveis, diz Fipe. Diário de Pernambuco, Recife, 5 mar. 2012, n.p. Disponível em: <http://www.old.pernambuco.com/ultimas/nota.asp?materia=20120305171521>. Acesso: 5 ago. 2015.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Déficit habitacional municipal no Brasil. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro; Ministério das Cidades, 2013. 78 p.

HARVEY, D. A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 2005

HARVEY, D. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

HARVEY, D. Os limites do Capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

HARVEY, D. A crise da urbanização planetária. Blog da Boitempo. São Paulo, 10 jan. 2015. Disponível em: <http://blogdaboitempo.com.br/2015/01/10/david-harvey-a-crise-da-urbanizacao-planetaria/>. Acesso em: 25 set. 2015.

HOBSBAWM, Eric J. A era do capital: 1848-1875. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

LACERDA, N. Fragmentação e integração: movimentos de reestruturação espacial das metrópoles brasileiras. In: RIBEIRO, A., LIMONAD, E.; GUSMÃO, P. (Org.). Desafios do planejamento. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2012. p. 21-42

LEAL, S. M. R. Empresarialismo competitivo e produção imobiliária no processo de organização do espaço metropolitano do Recife. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL SOBRE PODER LOCAL, 10., 2006, Salvador. Anais do X Colóquio Internacional sobre Poder Local: Desenvolvimento e Gestão Social do Território. Salvador: NEPOL/UFBA, 2006.

LEAL, S. M. R. Papel dos agentes econômicos na governança das metrópoles brasileiras: Inovações e Impactos Territoriais dos Grandes Empreendimentos Imobiliários. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR, 14., 2011, Rio de Janeiro. Anais do XIV Encontro Nacional da Anpur. Rio de Janeiro: ANPUR, 2011.

LEFEBVRE, Henri. De lo rural a lo urbano. Barcelona: Ediciones Península, 1969.

LEFEBVRE, Henri. The Production of Space. London: Blackwell, 1991.

LEFEBVRE, Henri. A revolução urbana. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

LEFEBVRE, Henri. A produção do espaço. Belo Horizonte: [s.n.], 2006. Disponível em: <http://www.mom.arq.ufmg.br/mom/arq_interface/1a_aula/A_producao_do_espaco.pdf>. Acesso em: 22 dez. 2015.

LEFEBVRE, Henri. Espaço e política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008.

LIMONAD, E.; LIMA, I. G. Entre a ordem próxima e a ordem distante: contribuições a partir da obra de Henri Lefebvre. In: LIMONAD, E. (Org.). Entre a Ordem Próxima e a Ordem Distante: contribuições a partir do pensamento de Henri Lefebvre. Niterói: UFF/GECEL, 2003. p. 15-33.

LUCENA, P. Preços dos imóveis em Recife subiram 22,8% em 5 meses. Acerto de Contas, 24 maio 2012. Disponível em: <http://acertodecontas.blog.br/financiamento-imobiliario/preos-dos-imveis-em-recife-subiram-228-em-5-meses/>. Acesso em: 1 set. 2015.

MASCARENAS, G.; BIENENSTEIN, G.; SÁNCHEZ, F. O jogo continua: megaeventos esportivos e cidades. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

MARICATO. E. O impasse da política urbana no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2011.

MARICATO. E. É a questão urbana, estúpido! In: MARICATO. E. et al. Cidades rebeldes. São Paulo: Boitempo; Carta Maior, 2013. p. 19-26

MARX, K. O 18 de Brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2011.

MENDONÇA, A. S. A importância do debate acerca do cais José Estelita e do Projeto Novo Recife para a gestão pública. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPUR, 16., 2015, Belo Horizonte. Anais do XVI Encontro Nacional da Anpur. Belo Horizonte: ANPUR, 2015.

MOLOCHT, H. The City as a Growth Machine: toward a political economy of place. The American Journal of Sociology, v. 82, n. 2, p. 309-332, sep. 1976.

MUITAS realidades dentro das mesmas cidades. Diário de Pernambuco, Recife, 2013. Disponível em: <http://hotsites.diariodepernambuco.com.br/vidaurbana/2013/IBEU/desigualdade.shtml>. Acesso em: 10 set. 2015.

NASCIMENTO, A. S. A difusão de grandes projetos de desenvolvimento urbano como inovações espaciais e seu papel no processo de acumulação e expansão geográfica do capital. In: Anais do XIII Simpósio Nacional de Geografia Urbana. Rio de Janeiro, 2013.

OBSERVATÓRIO DO RECIFE. Indicadores do Recife. Recife: Observatório do Recife, 2015.

OLIVEIRA, F. Noiva da Revolução; Elegia para uma re(li)gião: Sudene, Nordeste, planejamento e conflito de classes. São Paulo: Boitempo, 2008.

PONTUAL, V. Experiências urbanísticas e representações de cidade: o Recife civilizado. In: CARNEIRO, A. R. S.; PONTUAL, V. (Org.). História e paisagem: ensaios urbanísticos do Recife e São Luís. Recife: Bagaço, 2005. p. 23-48.

PREÇO do metro quadrado no Recife sobe 17,8% em 2012, maior variação do país. Diário de Pernambuco, Recife, 4 jan. 2013. Disponível em: <http://www.jraluminium.com.br/informativos/06-01-2013-preco-do-metro-quadrado-no-recife-sobe-17-8-em-2012-maior-variacao-do-pais/>. Acesso em: 5 ago. 2015.

RECIFE é a 5ª cidade com maior concentração de favelas do país. Diário de Pernambuco, Recife, 21 dez. 2011. Disponível em: <http://www.old.diariodepernambuco.com.br/nota.asp?materia=20111221100725>. Acesso em: 10 set. 2015.

REYNALDO, A. et al. A reconfiguração espacial da Região Metropolitana do Recife: processo de fragmentação e integração. Anales del V Seminario Internacional de Investigación en Urbanismo, Barcelona-Buenos Aires, junio 2013. Barcelona: DUOT, 2013, p. 1433-1440.

ROLNIK, R. Grupos se mobilizam no Recife contra projeto imobiliário no cais José Estelita. Blog da Raquel Rolnik, São Paulo, 19 mar. 2012. Disponível em: <https://raquelrolnik.wordpress.com/2012/03/19/grupos-se-mobilizam-no-recife-contra-projeto-imobiliario-no-cais-jose-estelita/>. Acesso em: 7 set 2015.

ROLNIK, R. As vozes das ruas: as revoltas de junho e suas interpretações. In: MARICATO, E. et al. Cidades rebeldes. São Paulo: Boitempo; Carta Maior, 2013. p. 7-12.

ROLNIK, R. A Copa do Mundo no Brasil: tsunami de capitais aprofunda a desigualdade urbana. In: JENNINGS, A. et al. Brasil em jogo: o que fica da Copa e das Olimpíadas? São Paulo: Boitempo; Carta Maior, 2014.

SANTOS, M. O Espaço Dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1978.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. São Paulo: Hucitec, 1994.

SANTOS, M. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2005.

SANTOS, M. Espaço e método. 5. ed. São Paulo: Edusp, 2008.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS - SEBRAE. Cenário econômico das MPEs em Pernambuco. Recife: SEBRAE, 2014.

SIMMEL, G. A Metrópole e a vida mental. In: VELHO, O. G. (Org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

Publicado
2015-12-20
Seção
Artigos | Articles: Cidades e insurgências: novos e velhos conflitos, agências e direitos