As exportações industriais regionais brasileiras: análise espacial da primeira década de 2000 | The brazilian regional industrial exports: spatial analysis of the first decade of the 2000s

Palavras-chave: Indústria, Exportação, Aglomeração, Economia espacial.

Resumo

O artigo investiga o papel das aglomerações nas exportações industriais dos municípios brasileiros durante a primeira década de 2000. Ao estudar como as aglomerações influenciam as exportações, trata-se de buscar indicações sobre a competitividade das regiões do país e, consequentemente, sobre seu desenvolvimento econômico e sua possível tendência de convergência e disparidade regional. Usando a Análise Exploratória Espacial e um modelo Probit, observamos que as aglomerações aumentam a probabilidade de uma região exportar. Além disso, a distribuição das exportações industriais ainda é bastante desigual no espaço brasileiro, com poucas formações de aglomeração de exportações, que se concentram principalmente na porção sul do território. Assim, os demais estados que ainda venham a exportar não usufruem das externalidades positivas geradas nessas aglomerações, tornando ainda mais árdua a atividade exportadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Schettini, Universidade de São Paulo, Instituto de Relações Internacionais, São Paulo, SP, Brasil.

Professora do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de São Paulo.

Referências

ANSELIN, L. Spatial Econometrics: Methods and Models. Kluwer Academic, Dodrecht. 1996.

ANSELIN, L.; SRIDHARAN, S.; GHOLSTON, S. Using exploratory spatial data analysis to leverage social indicator databases: The discovery of interesting patterns. Social Indicators Research, v.82, p. 287–309. 2007.

BARROS, A.M.; GIRARD, J-L.; KUBRUSLY, L.S.; SABOIA, J. Les Trajectoires récentes du marché du travail dans les métropoles du Brésil: changements et différenciations. Revue d’Économie Régionale & Urbaine, v.4, p. 635-656. 2009.

BECCHETTI, L.; ROSSI, S. The Positive Effect of Industrial District on the Export Performance of Italian Firms. Review of Industrial Organization, v. 16, n. 1, p. 53-68. 2000.

BONELLIi, R.; FONSECA, R. Ganhos de Produtividade e de Eficiência: Novos Resultados para a Economia Brasileira. Texto para Discussão, 557, IPEA, Brasília. 1998.

BRULHART, M. The spatial effects of trade openness: a survey. Review of World Economics, v. 147, n. 1, p. 59-83. 2001.

CLERIDES, S.; LAUCH, S.; TYBOUT, J. R. Is learning by exporting important? Micro-Dynamic evidence from Colombia, Mexico and Morocco. The Quarterly Journal of Economics, v. 113, n. 3, p. 903-947. 1998.

CRUZ, B.O.; SANTOS, I.R.S. Dinâmica do Emprego Industrial no Brasil entre 1990 e 2009: uma Visão Regional da Desindustrialização, Texto para Discussão, n. 1673. Ipea. Rio de Janeiro. 2011.

DURANTON, G.; PUGA, D. Micro-foundations of urban agglomeration economies”. In VERNON, H.; THISSE. J.F. Handbook of Regional and Urban Economics, v. 4. Amsterdam: North-Holland, p. 2063–2117. 2004.

DURANTON, G.; OVERMAN. H.G. Testing for localization using microgeographic data. Review of Economic Studies, v. 72, n. 4, p. 1077–1106. 2005.

ELLISON, G.; GLAESER, E.L. Geographic Concentration in U.S. Manufacturing Industries: A Dartboard Approach. Journal of Political Economy, v. 105, n. 5, p. 889-927, Oct. 1997.

FERREIRA, P.C.; GUILLEN, O.T.C. Estrutura competitiva, produtividade industrial e liberalização comercial no Brasil. Revista Brasileira de Economia, v. 4, p. 507–532. 2004.

FERREIRA, P.C; ROSSI, J.L. New Evidence from Brazil on Trade Liberalization and Productivity Growth. International Economic Review, v. 44, n. 4, p. 1383-1406. Nov. 2003.

GE, Y. Globalization and industry agglomeration in China. World Development, v. 37, p. 550–559. 2009

GREENAWAY, D.; KNELLER, R. Exporting, Productivity and Agglomeration, European Economic Review. v. 52, n. 5, p. 919-939. 2008.

HAINING, R. Spatial data analysis: theory and practice. Cambridge University, United Kingdom, 2003.

HE, D.; CHEUNG, L.; ZHANG, W.; WU, T. How would capital account liberalisation affect China’s capital flows and the renminbi real exchange rates? Hong Kong Institute for Monetary Research, Working Paper no. 09. 2012.

HIDALGO, A.B. Exportações do Nordeste do Brasil: Crescimento e Mudança na Estrutura. Revista Econômica do Nordeste, v.31, n. Especial, p. 560-574. 2000.

HOOVER, E. Spatial Price Discrimination. Review of Economic Studies, v. 4, p. 182–191. 1936.

HOOVER, E. Location Theory and the Shoe and Leather Industries. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1937.

KOEING, P. Agglomeration and the Export Decisions of French Firms, Journal of Urban Economics, v. 66, n. 3, p. 186-195. 2009.

LE GALLO, J.; ERTUR C. Exploratory Spatial Data Analysis of the Distribution of Regional per capita GDP in Europe, 1980-1995. Papers in Regional Science, v. 82, p. 175-201. 2003.

LOVELY, M. E.; ROSENTHAL, S. S.; SHARMA, S., Information, agglomeration, and the headquarters of U.S. exporters. Regional Science and Urban Economics, v. 35, n. 2, p.167–191. 2005.

MALMBERG, A.; MALMBERG, B.; LUNDEQUIST, P. Agglomeration and firm performance: economies of scale, localization and urbanization among Swedish export firms. Environment and Planning, v. 32, p. 305–321. 2000.

MARSHALL, A. Principles of Economics. London: MacMillan Hoover, Edgar Malone. 1920.

MARTIN, M.A. G., HERRANZ, A.A. Regional exports and economic growth: The case of Spanish regions. International Advances in Economic Research, v. 12, n. 1, p. 81-89. 2005.

MESSNER, S.F.; ANSELIN, L. Spatial Analyses homicide with areal data. Mimeo, University of Illinois, 2001.

ROSSI Jr, J.L.; FERREIRA, P.C. Evolução da produtividade industrial brasileira e abertura comercial. Texto para Discussão 651, IPEA, Brasília. 1999.

SABOIA, J. Descentralização industrial no Brasil nos anos 90: um enfoque regional. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 30, n. 1, abr, 2000.

SABOIA, J. Produtividade na indústria brasileira no passado recente: um estudo dos diferenciais intersetoriais. Revista Economia Aplicada, v. 8, n. 1, p. 165-199. 2004.

SABOIA, J.; KUBRUSLY, L.; BARROS, A.C. Diferenciação regional da indústria brasileira: agrupamento e ordenação a partir de um novo índice. Nova Economia Belo Horizonte, v. 18, n. 3, p. 383-427. Set-dez, 2008

SHELBURNE, R.C.; BEDNARZIK, R.W. Geographic Concentration of Trade-Sensitive Employment. Monthly Labor Review. 1993.

SOBRINHO, E.M.G; AZZONI, C.R. Aglomerações industriais relevantes do Brasil em 2010. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, v. 9, n. 1, p. 1-18. 2015.

Publicado
2019-04-11
Seção
Artigos | Articles: Paradigmas tecno-econômicos e reconfiguração territorial