Museificação territorial: fundamentos de um conceito

Palavras-chave: Museificação, Território, Museificação territorial, Roteiro cultural, Circuito cultural

Resumo

A palavra “museificação” tem sido utilizada em reflexões de diversos campos disciplinares. Trata-se de concepção ainda pouco discutida, carente de clareza epistemológica. Assim, este artigo apresenta uma abordagem conceitual dedicada ao entendimento do processo de museificação, buscando embasamento para formular sua definição e viabilizar análises territoriais. Configura-se como pesquisa qualitativa, com estudo de caso no qual oito processos próprios da museificação, identificados na fundamentação conceitual, são usados na análise do Circuito Caravaggio (Santa Teresa, ES, Brasil). O resultado demonstra a vinculação real entre a museificação do território e os roteiros culturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Tessarolo Ruy, Universidade Federal do Espírito Santo, Laboratório Patrimônio e Desenvolvimento, Vitória, ES, Brasil

Arquiteta com mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e pesquisadora associada ao Laboratório Patrimônio & Desenvolvimento (Patri_Lab).

Renata Hermany de Almeida , Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Vitória, ES, Brasil

Doutora em Arquitetura e Urbanismo, professora associada IV da Universidade Federal do Espírito Santo (Departamento de Arquitetura e Urbanismo e Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo) e coordenadora do Patri_Lab.

Referências

AGAMBEN, G. Profanaciones. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2005.

BANDEIRA, P. Rua Sofia. 2003. Disponível em: http://www.pedrobandeira.info/filter/architecture/Rua-Sofia-2003. Acesso em: 12 abr. 2017.

BARBOSA, J. L. O ordenamento territorial urbano na era da acumulação globalizada. In: BECKER, B. K.; SANTOS, M. (orgs.). Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. Rio de Janeiro: Lamparina, 2006. p. 55-62.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. Tradução de Luciano Vieira Machado. São Paulo: Unesp, 2001.

CHOAY, F. O patrimônio em questão: antologia para um combate. Lisboa: Edições 70, 2010.

COSTA, R. H. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

DESVALLÉES, A.; MAIRESSE, F. Conceitos-chave de museologia. São Paulo: Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus, 2013.

GERALDES, E. A. S. Condições para a constituição de um patrimônio ambiental urbano: proposta de focos qualitativos no Centro de São Paulo. 2006. 196 f. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

GUILHOTTI, A. C. A imagem visual: descoberta, conquista e museificação da América (séculos XVI e XVII). Revista USP, n. 12, p. 28-35, 1992.

JACQUES, P. B. Patrimônio cultural urbano: espetáculo contemporâneo? Revista de Urbanismo e Arquitetura, Salvador, v. 6, n. 1, p. 32-39, 2008.

JEUDY, H.-P. Espelho das cidades. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2005.

MARÍN, J. J; DEL CAIRO, C. Los dilemas de la museificación: reflexiones en torno a dos iniciativas estatales de construcción de memoria colectiva en Colombia. Memoria y sociedad, Bogotá, v. 17, n. 35, p. 76-92, 2013.

PINHEIRO, E.; DUARTE, C. Esquecimento e reconstrução: memória e experiência na arquitetura da cidade. Arquitetura Revista, São Leopoldo, v. 4, n. 1, p. 70-86, 2008.

POSENATO, J. Arquitetura da imigração italiana no Espírito Santo. Porto Alegre: Posenato Arte e Cultura, 1997.

RUBINO, S.; GRINOVER, M. Lina por escrito: textos escolhidos de Lina Bo Bardi. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

SANTA TERESA (Município). Fôlder Circuito Caravaggio. Santa Teresa (ES): Secretaria de Turismo e Cultura, 2016. E-mail: turismo@santateresa.es.gov.br. Acesso em: 12 dez. 2016a.

SANTA TERESA (Município). Pesquisa Circuito Caravaggio. Santa Teresa (ES): Secretaria de Turismo e Cultura. E-mail: turismo@santateresa.es.gov.br. Acesso em: 12 dez. 2016b.

SILVA, V. E. M. P. da. Revolução (des)industrial: museificar, reutilizar e converter. 2009. 149 f. Dissertação (Mestrado Integrado em Arquitetura) – Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade de Coimbra, Coimbra, 2009.

URIARTE, U. M. O lugar da História no consumo do chamado patrimônio histórico. Interseções: Revista de Estudos Interdisciplinares, v. 14, n. 1, p. 7-24, 2012.

VAZ, L. F. A “culturalização” do planejamento e da cidade: novos modelos? Cadernos PPG-AU/UFBA, v. 2, n. esp., p. 31-42, 2007.

Publicado
2020-09-05
Seção
Artigos - Cidade, História e Cultura