Aglomeração produtiva e netchain: contribuições para a criação de valor nos sistemas agroindustriais

  • Luiz Henrique Paloschi Tomé Centro Universitário Cidade Verde, Economia, Maringá, PR, Brasil https://orcid.org/0000-0001-5739-8476
  • Amarildo de Paula Junior Universidade Estadual de Maringá, Economia, Maringá, PR, Brasil
  • Caroline Rodrigues Ribeiro Centro Universitário Cidade Verde, Administração, Maringá, PR, Brasil
Palavras-chave: Cooperação, Coordenação, Ações Coletivas, Interdependências

Resumo

Considerando a recorrente problemática da cooperação entre agentes em busca de eficiência econômica e competitividade, o presente estudo objetiva discutir as conexões entre as abordagens de aglomerações produtivas, ações coletivas e netchains sobre a criação de valor nos sistemas agroindustriais, com o intuito de demonstrar que essa problemática não pode ser encarada de forma unidimensional. A discussão está focada na complementaridade dessas abordagens. O texto apresenta uma breve revisão dos principais pontos envolvidos e sugere uma aplicação conjunta para análises de sistemas agroindustriais, por evidenciar que o problema central é compartilhado por elas. Ao fim, defende-se que os sistemas agroindustriais só serão bem coordenados e eficientes, com o estabelecimento de vantagens comparativas duradouras, se essa coordenação levar em consideração as interdependências entre os atores e a dimensão regional, com vistas a identificar as principais e potenciais fontes de valor a elas atreladas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Henrique Paloschi Tomé, Centro Universitário Cidade Verde, Economia, Maringá, PR, Brasil

Bacharel em Ciências Econômicas pelo Centro Universitário Cidade Verde (UniFCV), mestre em Desenvolvimento Regional e Agronegócio pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) e doutorando em Economia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Professor bolsista do Programa Institucional de Iniciação Científica do Centro Universitário Cidade Verde (PIIC-UniFCV).

Amarildo de Paula Junior, Universidade Estadual de Maringá, Economia, Maringá, PR, Brasil

Bacharel em Ciências Econômicas pelo Centro Universitário Cidade Verde (UniFCV) e mestre em Economia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Caroline Rodrigues Ribeiro, Centro Universitário Cidade Verde, Administração, Maringá, PR, Brasil

Graduanda em Administração pelo Centro Universitário Cidade Verde (UniFCV). Orientanda do Programa Institucional de Iniciação Científica do Centro Universitário Cidade Verde (PIIC-UniFCV).

Referências

AUSTIN, J. E. Parcerias. São Paulo: Futura, 2001.

BRITTO, J. Características estruturais e modus operandi das redes de firmas em condições de diversidade tecnológica. 1999. Tese (Doutorado em Economia) – Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.

CALEMAN, S. M. de Q. Contratos e coordenação. In: ZYLBERSZTAJN, D.; NEVES, M. F.; CALEMAN, S. M. de Q. (org.). Gestão de sistemas de agronegócios. São Paulo: Atlas, 2015. p. 71-92.

CALEMAN, S. M. de Q.; ZYLBERSZTAJN, D. Falta de garantias e falhas de coordenação: evidências do Sistema Agroindustrial da Carne Bovina. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 50, p. 221-240, 2012.

CARLEIAL, L. M. F. Sistemas Regionais de Inovação (SRI) e relação entre firmas: as “pistas” para um formato de desenvolvimento regional. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 28, n. esp., p. 143-168, jul. 1997.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, M. H. Arranjos e sistemas produtivos locais na indústria brasileira. Revista de Economia Contemporânea, Rio de Janeiro, p. 103-136, 2001.

CASSIOLATO, J. E.; SZAPIRO, M. Arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais no Brasil. In: Notas técnicas da fase II do Projeto “Proposição de políticas para a promoção de sistemas produtivos e inovativos locais de micro, pequenas e médias empresas brasileiras”. Rio de Janeiro: UFRJ, Redesist, 2002.

DAVIS, J. H.; GOLDBERG, R. A. A concept of agribusiness. Division of Research. Boston: Graduate School of Business Administration, Harvard University, 1957.

DIAS, R. S.; SILVA NETO, R. Uma análise das transformações espaciais decorrentes da passagem do regime fordista para os regimes flexíveis de acumulação. Vértices, v. 6, n. 2, maio-ago. 2004.

GRANOVETTER, M. S. The strength of weak ties. American Journal of Sociology, v. 78, n. 6, p. 1360-1380, 1973.

GRANOVETTER, M. S. Economic action and social structure: the problem of embeddedness. American Journal of Sociology, v. 91, n. 3, p. 481-510, 1985.

GULATI, R.; NOHRIA, N.; ZAHEER, A. Strategic networks. Strategic Management Journal, v. 21, n. 3, p. 203-215, 2000.

LAZZARINI, S. G.; CHADDAD, F. R.; COOK, M. L. Integrating supply chain and network analysis: the study of netchains. Journal of Chain and Network Science, v. 1, n. 1, p. 7-22, 2001.

MARSHALL, A. Princípios de Economia: tratado introdutório. São Paulo: Abril Cultural, 1982. v. I, p. 231-238.

MÉNARD, C. The economics of hybrid organizations. Journal of Institutional and Theoretical Economics, v. 160, p. 345-376, 2004.

MÉNARD, C.; KLEIN, P. Organizational issues in the agrifood sector: toward a comparative approach. American Journal of Agricultural Economics, v. 86, p. 750-755, ago. 2004.

NASSAR, A. M. Eficiência das associações de interesse privado nos agronegócios brasileiros. 2001. 234 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

NASSAR, A. M.; ZYLBERSZTAJN, D. Associações de interesse no agronegócio brasileiro: análise de estratégias coletivas. Revista de Administração – RAUSP, v. 39, n. 2, p. 141-152, abr.-maio-jun., 2004.

OLSON, M. A lógica da ação coletiva: os benefícios públicos e uma teoria dos grupos sociais. São Paulo: EDUSP, 1999.

OSTROM, E. Governing the commons: the evolution of institutions for collective action. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

ROLIM, C. É possível a existência de sistemas regionais de inovação em países subdesenvolvidos? Revista de Economia, Curitiba, v. 28-29, ano 26-27, p. 275-300, 2005. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/economia/article/view/2003/1664. Acesso em: 7 jan. 2018.

SANDLER, T. Global Collective Action. Cambridge: University of Southern California, 2004.

SAES, M. S. M. Estratégias de diferenciação e apropriação da quase renda na agricultura: a produção de pequena escala. 2008. Tese (Livre-docência em Administração) – Programa de Pós-graduação em Administração, Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

SCHMIDT, C. M. Criação e apropriação de valor no sistema agroindustrial do vinho do Vale dos Vinhedos. 2010. Tese (Doutorado) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

SCHMIDT, C. M.; SAES, M. S. M. Ações coletivas: desenvolvimento para arranjos produtivos inseridos no contexto do agronegócio e turismo rural. 46º CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 2008, Rio Branco. Anais [...]. Rio Branco: Sober, 2008.

SUZIGAN, W. et al. Clusters ou sistemas locais de produção: mapeamento, tipologia e sugestões de políticas. XXXI ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 2003, Porto Seguro. Anais [...]. Porto Seguro: Anpec, 2003.

THOMPSON, J. D. Organizations in action. New York: McGraw-Hill, 1967.

UZZI, B. Social structure and competition in interfirm networks: the paradox of embeddedness. Administrative Science Quarterly, Ann Harbor, v. 4, p. 35-67. 1997.

WENNINGKAMP, K.; PALOSCHI TOMÉ, L. H.; SCHMIDT, C. M. A teoria da ação coletiva no contexto agroindustrial: uma análise bibliométrica dos congressos da Sober (2004-2013). 52º CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 2014, Goiânia. Anais [...]. Goiânia: Sober, 2014.

ZYLBERSZTAJN, D. Conceitos gerais, evolução e apresentação do sistema agroindustrial. In: ZYLBERSZTAJN, D.; NEVES, M. F. (org.). Economia e gestão dos negócios agroalimentares. São Paulo: Pioneira, 2000. p. 1-21.

ZYLBERSZTAJN, D. Papel dos contratos na coordenação agroindustrial: um olhar além dos mercados. Revista de Economia e Sociologia Rural (RESR), Rio de Janeiro, v. 43, n. 3, p. 385-420, jul.-set. 2005.

ZYLBERSZTAJN, D. From contracts to networks: new directions in the study of governance of agro-food-energy networks. 4TH EUROPEAN FORUM ON SYSTEMS DYNAMICS AND INNOVATION IN FOOD NETWORKS, 2010, Innsbruck-Igls, Áustria. Anais […]. Innsbruck-Igls: International European Forum, 2010.

ZYLBERSZTAJN, D.; FARINA, E. Strictly coordinated food-systems: exploring the limits of the Coasian Firm. International Food and Agribusiness Management Review, v. 2, n. 2, p. 249-265, 1999.

ZYLBERSZTAJN, D; FARINA, E. Dynamics of network governance: a contribution to the study of complex forms. São Paulo: FEA-USP, 2006. Série Working Paper, n. 03/026, Disponível em: http://www.ead.fea.usp.br/WPapers/2003/03-026.pdf. Acesso em: 28 dez. 2017.

Publicado
2020-12-09
Seção
Artigos - Espaço, Economia e População