As casas de Ceilândia

  • Elane Peixoto Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Brasília, DF, Brasil
  • Adriana Mara Vaz de Oliveira Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Artes Visuais, Goiânia, GO, Brasil https://orcid.org/0000-0002-4014-0003
  • Alana Silva Waldvogel Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Brasília, DF, Brasil
Palavras-chave: Casa Ceilandense, Ceilândia, Cidade-satélite, Brasília (DF), História Urbana

Resumo

Este artigo dedica-se ao morar em Ceilândia, a cidade-satélite com maior população do Distrito Federal. Ele remete à sua criação em 1970, com a transferência de 80 mil pessoas, vindas da Vila do IAPI. Essa transferência previa a construção de casas provisórias utilizando o material das casas desmontadas da vila referida e que, com o passar do tempo, seriam substituídas por casas de alvenaria. Passados cinquenta anos de sua criação, Ceilândia pouco remete ao seu início: não se limitou ao traçado original, novos bairros se somaram e suas primeiras moradias foram substituídas e alteradas, para permitir o ajuste às demandas das famílias. A pesquisa entende o morar em duas dimensões complementares: a cidade e a casa, por isso se dedica à história da cidade e, em seguida, às moradias de seus habitantes. Para abordar esses dois aspectos, foi entrevistado o urbanista responsável pelo projeto de Ceilândia, além de analisadas as narrativas de pioneiros disponíveis no Arquivo Público do Distrito Federal, bem como os depoimentos e desenhos de estudantes do Ensino Fundamental, coletados especialmente com o fito de esboçar um quadro do morar em Ceilândia.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elane Peixoto, Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Brasília, DF, Brasil

Arquiteta e urbanista, mestre e doutora pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP), com estágio na Maison des Sciences de l’Homme, Paris, França. Professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (UnB) e de seu Programa de Pós-graduação, atuando nas linhas de pesquisa da História e Teoria da Cidade, assim como da História e Teoria da Arquitetura e Patrimônio e Preservação. Em 2015, foi professora visitante na Università Iuav di Venezia.

Adriana Mara Vaz de Oliveira , Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Artes Visuais, Goiânia, GO, Brasil

Arquiteta e urbanista, mestre e doutora em História, respectivamente pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Professora do curso de Arquitetura e Urbanismo e do Programa de Pós-graduação Projeto e Cidade da Faculdade de Artes Visuais da UFG, atuando na linha de pesquisa História e Teoria da Arquitetura e da Cidade.

Alana Silva Waldvogel, Universidade de Brasília, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Brasília, DF, Brasil

Arquiteta graduada pela Universidade de Brasília (UnB), onde atualmente realiza mestrado em Teoria e História do Urbanismo. Desde 2016 tem como foco de pesquisa a cidade de Ceilândia, sua formação e morfologia urbana. Atuou como pesquisadora bolsista pela CNPq e pela FAP-DF, além de ter trabalhado no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico (Iphan-DF) durante a graduação.

Referências

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE CEILÂNDIA. Arquivo: Plantas residenciais da Sociedade de Habitação de Interesse Social (SHIS). Brasília: DF, 1976.

ARQUIVO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL. Imagens diversas. Brasília, DF: Ministério da Justiça e Segurança Pública, 2019.

AGUALUSA, J. E. O vendedor de passados. São Paulo: Tusquets, 2018. p. 157.

ASSMANN, A. Espaços de recordação: formas e transformações da memória cultural. Tradução: Paulo Soethe. Campinas: Ed. da Unicamp, 2011.

BACHELARD, G. A poética do espaço. Tradução: Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

BENJAMIN, W. Sobre o conceito de história. In: BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução: Sérgio Paulo Rouanet. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. v. 1. (Obras escolhidas).

BORGES, M. L. Depoimento. Programa de História Oral. Brasília: Arquivo Público do Distrito Federal, 2002.

BRESCIANI, S. Verbete casa. In: TOPALOV, C.; BRESCIANI, S.; LILLE, L. de; D’ARC, H. R. (org.). A aventura das palavras da cidade: através dos tempos, das línguas e das sociedades. São Paulo: Romano Guerra, 2014. p. 174-183.

COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL (CAESB). Fornecimento de dados. Brasília, DF: Caesb, 2019.

COSTA, G. G. da. As Regiões Administrativas do Distrito Federal de 1960 a 2011. 2011. Tese (Doutorado) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2011.

COUTO, M. Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra. São Paulo: Companhia das Letras, 2003. p. 27.

DAMATTA, R. O que faz o brasil, Brasil? 12 ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

DAMATTA, R. A casa & a rua: Espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1991.

DERNTL, M. F. História, memória e patrimônio de Brasília: escolas em unidades de vizinhança. In: MOURA, C. P. de; PEIXOTO, E. R.; DERNTL, M. F. Cotidianos, escolas e patrimônio: percepções antropo-urbanísticas da capital do Brasil. Brasília: UnB, 2020 (no prelo).

ELIADE, M. O sagrado e o profano. Tradução: Rogério Fernandes. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL (GDF). Documento Ceilândia. Brasília, DF: GDF, 1973.

GOOGLE. Google Earth website. Disponível em: https://www.google.com.br/intl/pt-BR/earth/ Acesso em: out. 2019.

GOOGLE. Google Maps. Disponível em: https://www.google.com.br/maps/@-15.8144964,-47.9096315,711m/data=!3m1!1e3. Acesso em: out. 2019.

HOLSTON, J. A cidade modernista: uma crítica de Brasília e sua utopia. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

JEUDY, H.-P. Liberdade da memória: uma entrevista com Henri-Pierre Jeudy. Revista Pós, São Paulo, n. 15, p. 10-15, 2004.

MENDES, I. F. Depoimento. Programa de História Oral. Brasília, DF: Arquivo Público do Distrito Federal, 2002.

OLIVEIRA, T. M. G. A erradicação da Vila do IAPI: marcas do processo de formação do espaço urbano de Brasília. 2007. Dissertação (Mestrado) – Departamento de Geografia da Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2007.

PEREIRA, F. C. Depoimento. Programa de História Oral. Brasília: Arquivo Público do Distrito Federal, 2002.

RIBEIRO, E. M. Depoimento. Programa de História Oral. Brasília: Arquivo Público do Distrito Federal, 2002.

RIGOTTI, G. Urbanismo: la técnica. Tradução para o espanhol: Francisco Folgueira. Barcelona: Madrid: Rio de Janeiro: Editorial Labor, 1955.

RODRIGUES, D. A. N. Depoimento. Programa de História Oral. Brasília, DF: Arquivo Público do Distrito Federal, 2002.

SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO DO TERRITÓRIO E HABITAÇÃO (SEGETH). Plantas urbanas e imagens aéreas. Brasília, DF: GDF, 2019. Disponível em: https://www.geoportal.seduh.df.gov.br/mapa/. Acesso em: out. 2019.

SEIXAS, J. A. Percursos da memória em terras da História: problemáticas atuais. In: BRESCIANI, S.; NAXARA, M. (org.). Memória e (res)sentimento: indagações sobre uma questão sensível. Campinas: Ed. da Unicamp, 2001.

SILVA, A. A. da. Depoimento. Programa de História Oral. Brasília, DF: Arquivo Público do Distrito Federal, 2002.

Publicado
2021-03-17
Seção
Artigos - Cidade, História e Cultura