Narrar a Serra, imaginar as cidades: o recurso à ficção na pesquisa sócio-espacial

Autores

  • Camila Matos Fontenele Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Belo Horizonte, MG, Brasil https://orcid.org/0000-0003-2526-2296

DOI:

https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202134

Palavras-chave:

Ficção, Produção do Espaço, Pesquisas Sócio-espaciais, Gênero, Idosas

Resumo

Este trabalho tem origem no contato com moradoras idosas do Aglomerado da Serra, em Belo Horizonte, no âmbito de uma pesquisa internacional em rede. Naquele contexto, o material de diversas entrevistas foi desconsiderado por não responder diretamente às questões levantadas. Proponho aqui um retorno a esse material com o intuito de investigar a maneira como a força de trabalho desse grupo de mulheres foi fundamental, tanto na articulação da própria sobrevivência como na formação daquele território. Em primeiro lugar, abordo a natureza de ficção presente nas narrativas das idosas como possibilidade de fabulação sobre a vivência delas na cidade e a prospecção de futuro. Sugiro que a ficção também integra aquelas narrativas socialmente legitimadas enquanto “verdade”, como é o caso da história oficial e do discurso das ciências. Nesse sentido, a ficção emerge como importante ferramenta no que se refere à autofabulação para as interlocutoras e ao questionamento e ao tensionamento do lugar de legitimidade dos discursos oficiais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Matos Fontenele, Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Belo Horizonte, MG, Brasil

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Mestre em 2016 pela Universidade de Minas Gerais (UFMG) e doutoranda no Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da mesma instituição. Atualmente, é pesquisadora assistente no grupo Morar de Outras Maneiras (MOM) da Escola de Arquitetura da UFMG.

Referências

DE CERTEAU, M. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense universitária, 1982.

FERREIRA DA SILVA, D. Sobre diferença sem separabilidade. In: BIENAL DE SÃO PAULO. Incerteza viva: catálogo. São Paulo, 2016. Catálogo da exposição Incerteza viva da Bienal de São Paulo, 7 de setembro a 11 de dezembro de 2016. p. 57- 63. Disponível em: http://www.bienal.org.br/publicacoes/3325. Acesso em: 2 dez. 2019.

FERREIRA da SILVA, D. A dívida impagável. São Paulo: Casa do Povo, 2019.

FLUSSER, V. A filosofia da caixa-preta: ensaios para uma futura filosofia da fotografia. São Paulo: Hucitec, 1985.

FLUSSER, V. Line and surface. In: STRÖHL, A. [ed.]. Writings, Vilém Flusser. Minnesota: University of Minnesota Press, 2002.

HARTMAN, S. Wayward lives, beautiful experiments: intimate stories of social upheaval. New York: W. W. Norton & Company, 2019. E-book.

IMARISHA, W. Reescrevendo o futuro. Tradução: Jota Mombaça. 2016. [online]. Disponível em: https://issuu.com/amilcarpacker/docs/walidah_imarisha_reescrevendo_o_fut. Acesso em: 17 set. 2019.

MARTINS, L. M. Performances da oralitura – corpo lugar e memória. Revista do programa de pós-graduação em Letras, Santa Maria, p. 63-81, 2003.

MBEMBE, A. The Power of Archive and Its Limits. In: HAMILTON, C.; HARRIS, V. et al. (ed.). Refiguring the archive. Cape Town: Alyson Printers, 2002. p. 19-26.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História – Revista do programa de estudos pós-graduados de História, São Paulo: PUC, 1993. p. 7-28.

PEREIRA, G. L. Corpo, discurso e território: a cidade em disputa nas dobras da narrativa de Carolina Maria de Jesus. 2015. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Arquitetura, Salvador, 2015. 252 p.

SANDERCOCK, L. Debatendo o preconceito: a importância das histórias e de sua narração na prática do planejamento. Cadernos IPPUR, ano XIX, n. 1 e 2, p. 289-315, jan.-dez. 2005.

TAYLOR, D. O arquivo e o repertório. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2013.

Publicado

2021-11-29

Edição

Seção

Dossiê: Território, gênero e interseccionalidades