Recursos naturais e desenvolvimento em Minas Gerais: um estudo para municípios selecionados

Autores

  • Robson Dias Silva Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Departamento de Ciências Econômicas, Nova Iguaçu, RJ, Brasil https://orcid.org/0000-0001-7679-4722
  • Ilze Kelly da Silva Carvas Carvas Universidade Federal Fluminense, Programa de Pós-Graduação em Economia, Niterói, RJ, Brasil https://orcid.org/0000-0002-6715-7593
  • Claudiana Guedes de Jesus Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Departamento de Administração e Turismo, Nova Iguaçu, RJ, Brasil https://orcid.org/0000-0001-9156-6373

DOI:

https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202214

Palavras-chave:

Recursos Naturais, Desenvolvimento Regional, Minas Gerais, Mineração

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o papel da mineração no desenvolvimento regional, utilizando o caso de Minas Gerais como objeto de pesquisa. Com base em um conjunto de indicadores selecionados, mostra-se como os municípios mineiros foram impactados pela mineração nas duas primeiras décadas do século atual, notadamente durante o chamado boom dos preços das commodities. A metodologia da pesquisa foi qualitativa, apoiada tanto na revisão da literatura como em indicadores secundários sobre mineração e na análise de dados socioeconômicos. Como resultado geral, destaca-se que a dependência da mineração segue como um desafio em termos de desenvolvimento social e urbano no estado em foco. Como a mineração é ancorada na produção de bens não renováveis, o que tem afetado as relações urbanas e ambientais, esse modelo de crescimento exige um debate profundo sobre seus potenciais e riscos para a economia e a subsistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robson Dias Silva, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Departamento de Ciências Econômicas, Nova Iguaçu, RJ, Brasil

Doutor em Economia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Jovem Cientista do Nosso Estado do Rio de Janeiro (Faperj). Visiting Scholar no Institute of Latin American Studies da Columbia University, em Nova York. Professor do Programa de Pós-graduação em Ciência, Tecnologia e Inovação em Agropecuária da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (PPGCTIA-UFRRJ), do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Territorial e Políticas Públicas (PPGDT-UFRRJ) e do Departamento de Ciências Econômicas da mesma universidade.

Ilze Kelly da Silva Carvas Carvas, Universidade Federal Fluminense, Programa de Pós-Graduação em Economia, Niterói, RJ, Brasil

Bacharela em Ciências Econômicas pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Mestra em Desenvolvimento Regional e Políticas Públicas pela mesma instituição. Doutoranda em Economia pelo Programa de Pós-graduação em Economia da Universidade Federal Fluminense (PPGE-UFF).

Claudiana Guedes de Jesus, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Departamento de Administração e Turismo, Nova Iguaçu, RJ, Brasil

Doutora em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Visiting Scholar na School of International and Public Affairs (SIPA) Studies da Columbia University, em Nova York. Professora do Programa Stricto Sensu em Gestão e Estratégia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (PPGE-UFRRJ) e professora do Departamento de Administração e Turismo da mesma universidade.

Referências

ALTOMONTE, H. et al. Recursos naturais na União das Nações Sul-americanas (Unasul). Situação e tendências para uma agenda de desenvolvimento regional. Santiago: Cepal: Unasul, 2013.

ANDRADE, C. D. de. Sentimento do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

ANM. AGÊNCIA NACIONAL DE MINERAÇÃO. Anuário mineral estadual. Minas Gerais. Ano-base 2015 a 2018. Brasília, DF: Ministério de Minas e Energia, 2019.

ARBOLEDA, M. Spaces of extraction, metropolitan explosions: planetary urbanization and the commodity boom in Latin America. International Journal of Urban and Regional Research, 1, 2015. DOI: 10.1111/1468-2427.12290.

ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO BRASIL. [2020] Disponível em: http://atlasbrasil.org.br/2013/pt/mapa/. Acesso em: 20 ago. 2018.

AUTY, R. M. Sustaining development in mineral economies: the resource curse thesis. London: Routledge, 1993.

AZEVEDO, R.; ROSAS, R.; GÓES, F. Vale acerta compra da Ferrous Resources por US$ 550 milhões. Vale acerta compra da Ferrous Resources por U$ 550 milhões. Valor, 6 dez. 2018. Disponível em: https://valor.globo.com/empresas/noticia/2018/12/06/vale-acerta-compra-da-ferrous-resources-por-us-550-milhoes.ghtml. Acesso em: 19 nov. 2020.

BACHA, E. L.; FISHLOW, A. The recent commodity price boom and Latin American Growth: more than new bottles for old wine? In: OCAMPO, A.; ROS, J. The Oxford Handbook of Latin American Economics. New York: Oxford University Press, 2011.

BADEEB, R.; LEAN, H. H.; CLARK, J. The evolution of the natural resource curse thesis: a critical literature survey. New Zealand: Department of Economics and Finance University of Canterbury, 2016. (Working Paper n. 5).

BADIA-MIRÓ, M.; PINILLA, V.; WILLEBALD, H. (ed.). Natural resources and economic growth. London; New York: Routledge, 2015.

BRASIL. Lei nº 13.540, de 18 de dezembro de 2017. Altera as Leis nºs 7.990, de 28 de dezembro de 1989, e 8.001, de 13 de março de 1990, para dispor sobre a Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM). Diário Oficial da União: Brasília, DF, 19 dez. 2017.

BRUCKMANN, M. Recursos naturais e geopolítica da integração sul-americana. In: VIANA, A. R.; BARROS, P. S.; CALIXTRE, A. B. Governança global e integração da América do Sul. Brasília, DF: Ipea, 2011.

CAXITO, F; DIAS, T. G. Recursos minerais de Minas Gerais: ferro. 2018. Disponível em: http://recursomineralmg.codemge.com.br/substancias-minerais/ferro/. Acesso em: 18 fev. 2018.

COELHO,T. P. Minério-dependência em Brumadinho e Mariana. Lutas Sociais, v. 22, nº 41, jul.-dez. 2018.

COMEX. Comércio Exterior. Exportação e importação em geral. Brasília, DF: Comex, [s.d.]. Disponível em: http://comexstat.mdic.gov.br/pt/geral. Acesso em: dez. 2020.

DICKEN, P. Global shift: mapping the changing contours of the world economy. 6th ed. New York, NY: The Guilford Press, 2012.

DINIZ, C. C. Capitalismo, recursos naturais e espaço: análise do papel dos recursos naturais e dos transportes para a dinâmica geográfica da produção agropecuária e mineral no Brasil e seus efeitos no padrão regional brasileiro. 1987. Tese (Doutorado) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1987.

FJP. Fundação João Pinheiro. Minas e-dados. Belo Horizonte: FJP, 2019. Disponível em: http://minasedados.fjp.mg.gov.br/#inicio. Acesso em: mar. 2019.

GELB, A. (ed.). Oil windfalls: blessing or curse? Oxford; New York: Oxford University Press, 1988.

GORENSTEIN, S; ORTIZ, R. Natural resources and primary sector-dependent territories in Latin America. Area Development and Policy, v. 3, n. 1, 2018.

GYLFASON, T. Natural resources, education, and economic development. European Economic Review, 45(4), p. 847-859, 2001.

GYLFASON, T. Natural resources and economic growth: from dependence to diversification. In: BROADMAN, H. G.; PAAS, T.; WELFENS, P. J. J. Economic Liberalization and Integration Policy. Springer: Berlin, 2006. p. 201-231.

GYLFASON, T.; ZOEGA, G. Natural resources and economic growth: the role of investment. World Economy, 29, p. 1091-1115, 2006.

HUMPHREYS, M.; SACHS, J.; STIGLITZ, J. E. (ed.). Escaping the resource curse. New York: Columbia University Press, 2007. p. 11-13.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. [2018] Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/. Acesso em: nov. 2018.

IBRAM. INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO. Informações sobre a economia mineral do estado de Minas Gerais. Belo Horizonte: Ibram, 2020.

LIMA, P. C. R. Terras-raras: elementos estratégicos para o Brasil. Consultoria Legislativa. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 2012.

MANTEGA, G. Modelos de crescimento e a Teoria do Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Fundação Getulio Vargas, 1998.

MEDEIROS, C. TREBAT, N. Transforming natural resources into industrial advantage: the case of China’s rare earths industry. Brazilian Journal of Political Economy, v. 37, nº 3 (148), p. 504-526, July-Sept. 2017.

ODILLA, F. Brumadinho: MG tem mais de 300 barragens inseguras, diz superintendente do Ibama que fez alerta em dezembro. BBC Brasil, Minas Gerais, 26 jan. 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-47013802. Acesso em: mar. 2019.

OGLOBO. Vale recebe o nada honroso “Oscar da Vergonha” com 25 mil votos. 27 jan. 2012. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/ciencia/vale-recebe-nada-honroso-oscar-da-vergonha-com-25-mil-votos-3777852. Acesso em: jan. 2019.

PINTO, E. C. A dinâmica dos recursos naturais no Mercosul na década de 2000: “efeito China”, estrutura produtiva, comércio e investimento estrangeiro. Rio de Janeiro: UFRJ, 2013. (Texto para discussão n. 005).

PREBISCH, R. O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns de seus problemas principais. Cepal, Boletín económico de América Latina, v. VII, nº 1, Santiago, 1962.

RAIS. RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS. Brasília, DF: Ministério do Trabalho, 2019. Disponível em: http://pdet.mte.gov.br/. Acesso em: fev. 2019

RICARDO, D. Princípios de economia política e tributação. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

ROSS, M. How mineral-rich states can reduce inequality. In: HUMPHREYS, M.; SACHS; J.; STIGLITZ, J. E. Escaping the resource curse. New York: Columbia University Press, 2007. p. 236-255.

ROSS, M. The oil curse: how petroleum wealth shapes the development of nations. Princeton, NJ: Princeton Univ. Press, 2012.

ROSS, M. What have we learned about the resource curse? Los Angeles: University of California, 2014. Mimeo.

ROSTOW, W. W. The process of economic growth. New York: W. W. Norton & Company, 1952.

ROSTOW, W. W. The take-off into self-sustained growth. The Economic Journal, mar. 1956.

SACHS, J. D.; WARNER, A. M. Natural resource abundance and economic growth. Cambridge. MA: National Bureau for Economic Research, 1995. (Working paper n. 5.398).

SACHS, J. D.; WARNER, A. M. Natural resource abundance and economic growth. Cambridge, MA: Center for International Development and Harvard Institute for International Development. 1997.

SACHS, J. D.; WARNER, A. M. The big push, natural resource booms and growth. Journal of Development Economics, 59(1), p. 43-76, 1999.

SACHS, J. D.; WARNER, A. M. The curse of natural resources. European Economic Review, 45(4), p. 827-838, 2001.

SHAFFER, B.; ZIYADOV, T. (ed.). Beyond the resource curse. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2012.

SILVA, R. D. Petróleo e desenvolvimento regional no estado do Rio de Janeiro. In: PIQUET, R; CRUZ, J, L; VILANI, R. (org.). O desafio da abundância: 10 anos do Boletim Petróleo, royalties e região. Rio de Janeiro: Garamond, 2013. v. 1, p. 1-200.

SINGER, H. W. The distribution of gains between investing and borrowing countries. American Economic Review, 15, p. 473-485, 1950.

SINNOTT, E.; NASH, J.; DE LA TORRE, A. Recursos naturais na América Latina. Rio de Janeiro: Elsevier; Washington, DC: World Bank, 2010.

SMITH, A. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

STN. SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL. Dados estatísticos. Brasília, DF: STN, 2018.

SVAMPA, M. Consenso de los Commodities y lenguajes de valoración en América Latina. Nueva Sociedad, nº 244, mar.-abr. 2013.

VINER, J. International trade and economic development. Glencoe, 111: Free Press, 1952.

Publicado

2022-06-15

Edição

Seção

Artigos - Ambiente, Gestão e Desenvolvimento