Hackers cívicos: tecnologias digitais como construção coletiva do meio urbano no Brasil

Autores

  • Tharsila Maynardes Dallabona Fariniuk Unifacear, Curso de Arquitetura e Urbanismo, Araucária, PR, Brasil https://orcid.org/0000-0002-2283-0692
  • Rodrigo José Firmino Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Programa de Pós-graduação em Gestão Urbana, Curitiba, PR, Brasil
  • Andrés Luque-Ayala Durham University, Department of Geography, Durham, Reino Unido

DOI:

https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202222

Palavras-chave:

Hackers Cívicos, Hacktivismo, Ativismo Digital, Tecnologias Digitais, Gestão Urbana

Resumo

Este estudo visa analisar teórica e conceitualmente o movimento civic hacking no Brasil, com base na diferenciação de tipologias e objetivos dos grupos na construção de ambientes urbanos digitais. A metodologia estabelece um levantamento empírico do fenômeno, seguido por agrupamento de conceitos e categorizações e pelo entendimento dos níveis de atuação da prática hacktivista, o que resultou em um modelo interpretativo que procura definir panoramicamente e de modo flexível a atuação do hackeamento cívico no Brasil. Observou-se que nesse contexto a prática hacker emerge como algo além da quebra de códigos, uma vez que passa a figurar como forma de subversão da utilização tradicional do digital, visibilizando e dando voz a diferentes narrativas. Concluiu-se que a lógica do “sistema a ser invadido” permanece, em alguma medida, de maneira empírica e iterativa, pautada nas tentativas, erros e improvisos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tharsila Maynardes Dallabona Fariniuk, Unifacear, Curso de Arquitetura e Urbanismo, Araucária, PR, Brasil

Professora dos cursos de Arquitetura e Urbanismo e de Engenharias e coordenadora do Programa de Iniciação Científica e Tecnológica da Unifacear. Estágio pós-doutoral em Planejamento Urbano e Regional pelo Programa de Pós-graduação em Gestão Urbana da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2021). Mestre (2014) e doutora (2018) em Gestão Urbana pela mesma instituição. Especialista em Inovação e Tecnologias na Educação pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (2019). Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela PUCPR (2012).

Rodrigo José Firmino, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Programa de Pós-graduação em Gestão Urbana, Curitiba, PR, Brasil

Professor titular do Programa de Pós-graduação em Gestão Urbana e do curso de Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq – Nível 1C. Pesquisador visitante no Urban Laboratory da University College London (2015-2016). Doutor em Planejamento Urbano e Regional pela Newcastle University, Reino Unido (2004). Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (2000). Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Estadual Paulista (1995). É coordenador do Jararaca: Laboratório de Tecnopolíticas Urbanas e membro-fundador da Rede Latino-Americana de Estudos sobre Vigilância, Tecnologia e Sociedade (Lavits).

Andrés Luque-Ayala, Durham University, Department of Geography, Durham, Reino Unido

Professor associado na Durham University (United Kingdom), Department of Geography. PhD em Geografia pela Durham University (2010-2013). MSc em City Design and Social Science pela London School of Economics (2003-2004). Master em Environmental Management pela Yale University (2001-2003). Graduado em Ciência Política (1994-1999) e em Antropologia pela Universidade de los Andes (1993-1998).

Referências

AHVENNIEMI, H.; HOUVILA, A.; PINTO-SEPPÄ, I.; AIRAKSINEN, M. What are the differences between sustainable and smart cities? Cities, v. 60, p. 234-245, 2017.

AMOORE, L.; PIOTUKH, V. Algorithmic life: calculative devices in the age of Big Data. London: Routledge, 2015.

AMPATZIDOU, C. BOUW, M.; VAN DE KLUNDERT, F.; LANGE, M; DE WAAL, M. The hackable city: a research manifesto and design toolkit. Knowledge Mile: Amsterdam, 2015.

AVRAM, G. This is our city! Urban communities re-appropriating their city. In: DE LANGE, M.; DE WAAL, M. (ed.). The hackable city. Singapore: Springer Nature, 2019.

BARNS, S. Mine your data: open data, digital strategies and entrepreneurial governance by code. Urban Geography, v. 34, n. 4, p. 554-571, 2016.

BRASIL. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2011.

CARDOZO, O. D.; DA SILVA, C. J. Revista Geográfica Digital. IGUNNE, Facultad de Humanidades, UNNE, v. 20, 2013.

CARVALHO, L.; MAIA, C. Civic entrepreneurs and smart cities: practices, motivations and innovation geographies. GOT, Porto, 10, p. 95-112, 2016.

CAVALCANTI, D. B.; JARDELINO, F.; NASCIMENTO, F. Ativismo digital no Brasil contemporâneo/digital activism in contemporary Brazil. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 7, p. 42566-42570, 2020.

COSTA, C. O.; PELEGRINI, A. V. O design dos makerspaces e dos FabLabs no Brasil: um mapeamento preliminar. Design & Tecnologia, v. 7, n. 13, p. 57-66, 2017.

COLEMAN, E. G. Coding Freedom: The ethics and aesthetics of hacking. New Jersey: Princeton University Press, 2013.

DAHLGREN, P. Civic cultures and net activism: modest hopes for the EU public sphere. CONFERENCE ON ONE EU – MANY PUBLICS? 5-6, February 2004. Stirling: University of Stirling, 2004.

DAVIES, T. Open data, democracy and public sector reform: A look at open government data use from data.gov.uk. 2010. Dissertation (MSc) – Oxford Internet Institute, University of Oxford, Oxford, 2010.

DE LANGE, M. Of hackers and cities: how selfbuilders in the Buiksloterham are making their city. In: DE LANGE, M.; DE WAAL, M. (ed.). The hackable city. Singapore: Springer Nature, 2019.

DESLANDES, S. F. O ativismo digital e sua contribuição para a descentralização política. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, n. 10, p. 3133-3136, 2018.

DI FELICE, M. O Net-ativismo e as dimensões ecológicas da ação nas redes digitais. PAULUS: Revista de Comunicação da FAPCOM, 4(7), p. 17-37, 2020.

EVANGELISTA, R. Traidores do movimento: política, cultura, ideologia e trabalho no software livre. 2010. Tese (Doutorado) – Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

EVANGELISTA, R. O movimento software livre no Brasil: política, trabalho e hacking. Horizontes Antropológicos, v. 41, p. 173-200, 2014.

EVANGELISTA, R. Para além das máquinas de adorável graça. São Paulo: Sesc, 2018.

FONTOURA, M. C. Hackers e participação: uma análise de aplicativos de dados públicos do Brasil e seus criadores. 2014. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Comunicação Social, Pontifícia Universidade Católica, Porto Alegre, 2014.

GANDY JR., O. H.; NEMORIN, S. Toward a political economy of nudge: smart city variations. Information, Communication & Society, v. 22, n. 14, p. 2012-2126, 2018.

HACKING.RIO. Página oficial do LinkedIN. 2021. Disponível em: https://br.linkedin.com/company/hacking-rio. Acesso em: fev. 2022.

HODSON, M.; KASMIRE, J; MCMEEKIN, A.; STEHLIN, J. G.; WARD, K. (ed.). Urban platforms and the future city. Transformations in infrastructure, governance, knowledge and everyday life. London: Routledge, 2020.

HOLLANDS, R. G. Will the real smart city please stand up? City, v. 12, n. 3, p. 303-320, 2008.

GONÇALVES, B. A; GAMA; K. S. Transparência e dados abertos do Recife: Uma estratégia bem-sucedida de publicação. Cadernos BAD, v. 1, p. 157-164, 2018.

JANUÁRIO, S. B. B. A cidadania nas pontas dos dedos: um panorama por meio dos aplicativos cívicos no Brasil. 2019. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2019.

KITCHIN, R. The ethics of smart cities and urban science. Philosophical Transactions of The Royal Society – Mathematical, physical and engineering sciences, v. 374, n. 2083, p. 1-15, 2016.

LEISTER, V.; FRAZIER, M. Brazil’s role in emerging global open-source initiatives. CONGRESS OF THE BRAZILIAN STUDIES ASSOCIATION, 12., 2014, London. Proceedings. London: BRASA XII August 2014.

LÉVY, P. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 4. ed. São Paulo: Loyola, 2003.

LIRA, I. T de. Hacktivistas e cypherpunks: a resistência à militarização e vigilância do ciberespaço na sociedade de controle. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 40., 2016, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: Anpoc, 2016.

LUQUE-AYALA; FIRMINO, R. J.; FARINIUK, T. M. D.; VIEIRA, G.; MARQUES, F. Platforms in the making: hacking the urban environment in Brazilian cities. In: HODSON, M.; KASMIRE, J.; McMEEKIN, A.; STEHLIN, J. G.; WARD, K. (ed.). Urban platforms and the future city: transformations in infrastructure, governance, knowledge and everyday life. London: Routledge, 2020.

LUQUE-AYALA, A.; MAIA F. N. Digital territories: Google maps as a political technique in the re-making of urban informality. Environment and Planning D: Society and Space, v.37, n.3, p. 449-467, 2019.

LUQUE-AYALA, A; MARVIN, S. Urban operating systems: producing the computational city. Cambridge: The MIT Press, 2020.

MACHADO, M. B. Entre o controle e o ativismo hacker: a ação política dos Anonymous Brasil. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, 22, supl., p. 1531-1549, 2015.

MANCINI, L; VASCONCELLOS, F. Jornalismo de dados: conceito e categorias. Revista Fronteiras – estudos midiáticos, v. 18, n. 1, p. 69-82, 2016.

McFARLANE, C.; SÖDERSTRÖM, O. On alternative smart cities. City, v. 21, n. 3-4, p.312-328, 2017.

MORAES, R. Análise de conteúdo. Revista Educação, v. 22, n. 37, p. 7-32, 1999.

MORAIS, M. M. de. Net-ativismo e ações colaborativas nas redes sociais digitais. 2018. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Lisboa, 2018.

MOROZOV, E. The net delusion: the dark side of internet freedom. New York: PublicAffairs, 2011.

PINCH, T. J.; BIJKER, W. E. The social construction of facts and artefacts: or how the sociology of science and the sociology of technology might benefit each other. Social Studies of Science, 14(3), p. 399-441, 1984.

PINHEIRO, A. M; SOUZA, C. R. B.; TENÓRIO, N.; FILHO, F. M F.; MELO, L. A. O que acontece após um hackathon? Um estudo empírico. In: SEMINÁRIO INTEGRADO DE SOFTWARE E HARDWARE, 47., 2020, Cuiabá. Anais [...]. Cuiabá: Semish, 2020.

PREFEITURA DO RECIFE. Hacker Cidadão 3.0. Publicado em 2020. Disponível em: http://dados.recife.pe.gov.br/hacker-cidadao-3. Acesso em: fev. 2022.

RICHARDS, N. M; KING, J. H. Three paradoxes of Big Data. Stan. L. Rev. v. 66, n. 41, p. 2013-2014, 2013.

RICHTER, D.; ZO, H.; MARUSCHKE, M. A comparative analysis of open source software usage in Germany, Brazil, and India. International Conference on Computer Sciences and Convergence Information Technology, 4., 2009, Seoul. Proceedings of the IEEE. Seoul: ICCIT, 24-26 November 2009.

ROBINSON, P. J.; JOHNSON P. A. Civic hackathons: innovation, procurement, or civic engagement? Review of Policy Research, v. 31, n. 4, p. 349-357, 2014.

ROBINSON, P. J.; JOHNSON P. A. Civic hackathons: new terrain for local government-citizen interaction? Urban Planning, v. 1, n. 2, p. 65-74, 2016.

RODRIGUES, R. T. Panorama de hackathons no Brasil. 2019. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de São Carlos, Sorocaba, 2019.

ROSE, G. Posthuman agency in the digitally mediated city: exteriorization, individuation, reinvention. Annals of the American Association of Geographers, v. 107, n. 4, p. 779-793, 2017.

SHAW, A. Insurgent expertise: the politics of free/livre and open source software in Brazil. Journal of Information Technology & Politics, v. 8, n. 3, 2, p. 253-272, 2011.

SCHROCK, A. R. Civic hacking as data activism and advocacy: A history from publicity to open government data. New Media & Society, v. 18, n. 4, p. 581-599, 2016.

SMITH, A.; FRESSOLI, M.; ABROL, D.; AROND, E.; ELY, A. Grassroots innovation movements. London: Routdlege, 2016.

SRNICEK, N. Platform capitalism. Cambridge: Polity Press, 2016.

STALLMAN, R. Por que o código aberto não compartilha dos objetivos do software livre. Ensaios e artigos. Boston: GNU, 2007.

TENA-ESPINOZA-DE-LOS-MONTEROS, M. A.; MERLO-VEGA, J. A. Tecnología cívica para la participación ciudadana. El caso de Codeando México. El profesional de la información, v. 26, n. 1, p. 114-124, 2017.

TORRES, A. A tecnoutopia do software livre: uma história do projeto técnico e político do GNU. 2013. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2013.

TURSI, A. Net-activism and redesign democracy. In: ANTONELLI, A. (ed.). Net-activism: How digital technologies have been changing individual and collective actions. Roma: Roma Tre-Press, 2017.

VANOLO, A. Smartmentality: the smart city as disciplinary strategy. Urban Studies, v. 51, n. 5, p. 883-898, 2014.

VIEIRA, G. Sobre o data labe. Publicado em 31 de março de 2016. Disponível em: https://datalabe.org/.

WARK, M. Hackers. Theory, Culture & Society, v. 23, n. 2-3, p.320-322, 2006.

WEBB, R.; AVRAM, G.; GARCÍA, J. B.; JOYCE, A. Transforming cities by designing with communities. In: DE LANGE, M.; DE WAAL, M. (ed.). The hackable city. Singapore: Springer Nature, 2019.

Publicado

2022-07-28

Edição

Seção

Artigos - Planejamento e Políticas Públicas