O Estado e a Exceção ou o Estado de Exceção?

Autores

  • Francisco de Oliveira Depto. de Sociologia da FFLCH/US

DOI:

https://doi.org/10.22296/2317-1529.2003v5n1p9

Palavras-chave:

relações Estado–urbano, planejamento urbano, desigualdade social, Brasil.

Resumo

O texto discute o papel do Estado hoje no Brasil e em particular o do planejamento. Se historicamente as relações entre o Estado e o urbano pautaram-se por um esforço de normatividade da relação capital-trabalho, cabendo ao planejamento enquadrar a exceção e transformá-la em norma, transformações radicais recentes na economia e sociedade brasileiras sugerem que a exceção parece ter enquadrado o planejamento. Às desigualdades históricas da sociedade brasileira vieram juntar-se aquelas advindas da reestruturação produtiva e da globalização, reformatando o mercado, funcionalizando a relação Estado-capital, transformando políticas sociais em antipolíticas de funcionalização da pobreza, erigindo em norma o que antes dela se afastava, pontuando um esforço teórico que transitou da busca da normatividade para a racionalização da exceção.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2003-05-31

Edição

Seção

Artigos