Atenas, o olimpismo à guisa de urbanismo

  • Guy Burgel Université Paris X, Laboratoire de Geographie Urbaine
Palavras-chave: Atenas, olimpíadas, urbanismo.

Resumo

Os Jogos Olímpicos de 2004 marcaram o coroamento de uma nova era iniciada na capital grega há mais de um quarto de século. O retorno a uma democracia reforçada, a vinculação à Europa política, a consciência da responsabilidade internacional assumida no Mediterrâneo oriental, nos Bálcãs e no vasto mundo através da marinha grega, confirmam Atenas em seu destino de “cidade global”. Para além da funcionalidade com relação à natureza das provas esportivas ou o desenrolar das festividades, a escolha dos sítios olímpicos respondeu a uma vontade estratégica afirmada sobre a totalidade do espaço da região urbana e a um desejo de reconversão geral das infra-estruturas após os Jogos. O presente texto mostra que, mais do que em Barcelona, onde o direcionamento da cidade para seu porto foi o grande evento dos anos 90, a mutação aqui engajada é mais fundamental, posto que Atenas, capital continental, não foi jamais uma cidade litorânea: desde a Antiguidade, o Pireu e suas bacias contribuintes constituem uma entrada marítima descentrada e a vocação da costa foi sempre mais balneária do que verdadeiramente urbana.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BURGEL, G. Le miracle athénien au XXème siècle. CNRS Éditions, 2002.

BURGEL, G. La ville contemporaine de la Seconde Guerre mondiale à nos jours. In: PINOL, J.-L. (Dir.) Histoire de l’Europe urbaine. Seuil, 2003.

BURGEL, G.; DEMATHAS, Z. (Dirs.) La Grèce face au troisième millénaire, territoire, économie, société, 40 ans de mutations. Laboratoire de Géographie Urbaine, Université de Paris X, Université Pantios, Athènes, 2001.

ROUSSET-DESCHAMPS, M. (Dir.) Gouverner les métropoles. Laboratoire de Géographie Urbaine, Université Paris X, Villes en Parallèle, n.30-1, 2000.

Publicado
2004-05-31
Seção
Artigos