Significados locais da colonização interna no norte mato-grossense

Autores

  • Luciana Schleder Almeida Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), Instituto de Humanidades e Letras, São Francisco do Conde, BA, Brasil https://orcid.org/0000-0002-4800-7602

DOI:

https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202101

Palavras-chave:

colonização, agronegócio, soja, honra, etnicidade

Resumo

A consolidação do meio-norte do Mato Grosso como área destacada na produção de soja foi consequência da política de “modernização da agricultura” promovida pelo regime militar nos anos 1970. A rápida transformação da paisagem florestal em lavouras ocorreu como parte de um programa oficial de colonização que arregimentou boa parte de seus agentes em “áreas coloniais” do sul do Brasil habitadas por imigrantes europeus desde o início do século XIX. A análise está baseada em um estudo etnográfico sobre famílias de colonos de trajetórias ascendentes que reivindicam para si o protagonismo na fundação de uma “nova sociedade” na fronteira. O objetivo do artigo é problematizar categorias relacionadas à honra pioneira e sua relação com formas de classificação por origem ou identidade regional: “gaúcho”, “cuiabano” e “maranhense”. O conteúdo etnográfico demonstra como as formas locais de hierarquização social mobilizam princípios da colonialidade do poder que estrutura historicamente o projeto de sociedade nacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Schleder Almeida, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), Instituto de Humanidades e Letras, São Francisco do Conde, BA, Brasil

Graduada em Ciências Sociais, com mestrado e doutorado em Antropologia. Atualmente é professora adjunta do Instituto de Humanidades e Letras da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) e pesquisadora associada do Grupo de Pesquisa em Legislativo, Eleições e Democracia (LED) da mesma instituição. Também é pesquisadora associada do Núcleo de Antropologia da Política (NuAP), ligado ao Programa de Pós-graduação em Antropologia Social do Museu Nacional (UFRJ).

Referências

ALMEIDA, L. S. Na festa, no escritório, na cabine do trator: notas sobre o comércio de insumos agrícolas no “agronegócio” da soja”. Política e Sociedade, v. 16, n. 35, p. 380-402, 2017.

AUBERTIN, C.; LÉNA, P. Apresentação. In: AUBERTIN, C. Fronteiras. Brasília: UnB, 1988. p. 11-15.

BARTH, F. Grupos étnicos e suas fronteiras. In: POUTIGNAT, P.; STREIFF-FENART, J. Teorias da etnicidade. São Paulo: Ed. da Unesp, 1998. p. 183-227.

CASANOVA, P. G. Colonialismo interno (uma redefinição). In: BORÓN, A. et al. A teoria marxista hoje. São Paulo: Clasco, 2007. p. 431-458. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/formacion-virtual/20100715084802/cap19.pdf. Acesso em: 21 fev. 2018.

CAVALCANTI, M.; FERNANDES, B. M. Formação territorial, agronegócio e atuais mudanças na estrutura fundiária de Mato Grosso. Revista Nera, ano 9, n. 8, p. 109-121, 2006.

CORDEIRO, M. S. S. Pioneiros, fundadores e aventureiros – a ocupação de terra em Rondônia. Revista de Antropologia, v. 61, n. 1, p. 125-146, 2018.

DELGADO, G. C. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2012.

DESCONSI, C. Pequenos proprietários rurais: trajetórias de migrantes do Sul do Brasil para o Mato Grosso. Rio de Janeiro: E-papers, 2011.

DIAS, E. A.; BORTONCELLO, O. Resgate histórico do município de Sorriso. Cuiabá: Print Express, 2003.

DI BELLA, M. P. Name, blood and miracles: the claims to renown in traditional Sicily. In: PERISTIANY, J. G.; PITT-RIVERS, J. Honor and grace in Anthropology. Cambridge: Cambridge University Press, 2005.

DU BOIS, C.; TAN, C.; MINTZ, S. Introduction: the significance of soy. In: DU BOIS, C.; TAN, C.; MINTZ, S. The world of soy. Chicago: University of Illinois Press, 2008. p. 1-23.

ELIAS, D.; PEQUENO, R. Desigualdades socioespaciais nas cidades do agronegócio. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 9, n. 1, p. 25-39, maio 2007.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Soja em números. Disponível em: https://www.embrapa.br/soja/cultivos/soja1/dados-economicos. Acesso em: 30 ago. 2019.

FERNANDEZ, A. J. C. Do Cerrado à Amazônia: as estruturas sociais da economia da soja em Mato Grosso. 2007. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Rural, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

FREEMAN, S. T. Neighbors: the social contract in a Castilian Hamlet. Chicago: University of Chicago Press, 1971.

GIRARDI, E. P. Atlas da questão agrária brasileira. Presidente Prudente: Unesp: Nera, 2008. Disponível em: http://www.atlasbrasilagrario.com.br/__atlas__/incra-x-ibge/. Acesso em: 30 ago. 2019.

HEREDIA, B.; PALMEIRA, M. Migrações em áreas de agronegócio. Travessia – Revista do Migrante, n. 65, set.-dez. 2009.

HEREDIA, B.; PALMEIRA, M.; LEITE, S. P. Sociedade e economia do “agronegócio” no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 25, n. 74, p. 159-196, out. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v25n74/a10v2574.pdf. Acesso em: 30 ago. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censos Agropecuários de 1995-1996 e 2006. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/. Acesso em: 30 ago. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censos Demográficos de 1970, 1980, 1991, 2000 e 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mt/panorama. Acesso em: 30 ago. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades@. Disponível em https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mt/sorriso/pesquisa/14/10193?tipo=ranking&indicador=10368. Acesso em 30 ago. 2019.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção Agrícola Municipal. Disponível em https://sidra.ibge.gov.br/tabela/1612. Acesso em 30 ago. 2019.

LÉVI-STRAUSS, C. A origem dos modos à mesa: Mitológicas 3. São Paulo: Cosac Naify. 2006.

MARQUES, A. C. Movimentos em família. Ruris, v. 9, n. 1, p. 13-37, 2015.

MARQUES, A. C. Pioneiros de Mato Grosso e Pernambuco. Novos e velhos capítulos da colonização no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 28, n. 83, 2012.

MARTINE, G. A trajetória da modernização agrícola: a quem beneficia? Lua Nova, n. 23, 1991.

MARTINS, J. de S. Capitalismo e tradicionalismo. São Paulo: Livraria Pioneira, 1975.

MINTZ, S. Dulzura y poder. México: Siglo XXI, 1996.

MONBEIG, P. Pioneiros e fazendeiros de São Paulo. São Paulo: Hucitec, 1998.

MÜLLER, G. O CAI brasileiro e as transnacionais e o CAI soja/indústria das oleaginosas. Relatório 24. São Paulo: Eaesp/FGV, 1982.

NAUK, M. de J. A capitania de Mato Grosso: história, historiografia e fontes. Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, v. 5, n. 2, jul.- dez. 2012.

OLIVEIRA, L. R. C. de. Colonização e diferenciação: os colonos de Canarana. 1981. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1981.

OLIVEN, R. G. A tradição revisitada: a (re)construção da identidade gaúcha no Brasil moderno. In: MATO, D. (org.). Teoria y política de la construcción de identidades y diferencias en America Latin y el Caribe. Caracas: Nueva Sociedad, 1994.

PAIVA, O. A política de colonização em São Paulo. Sociedade em Debate, 14 (2): 35-53, 2008.

PRESTES, C. A. Os trabalhadores e a formação de uma cidade do Mato Grosso: família, vizinhança e compadrio em Sorriso. 2010. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/sur-sur/20100624103322/12_Quijano.pdf. Acesso em: 7 ago. 2019.

ROCHA, B. N. “Em qualquer chão: sempre gaúcho!”: a multiterritorialidade do migrante gaúcho no Mato Grosso. 2006. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade) – Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

SAHLINS, M. On the sociology of primitive exchange. In: BANTON, M. (ed.). The relevance of models for Social Anthropology. London: Tavistock, 1969. p. 139- 186.

SANTOS, J. V. T. dos. Matuchos: exclusão e luta: do sul para a Amazônia. Petrópolis: Vozes, 1993.

SERRANO, F. Do ouro imóvel ao dólar flexível. Economia e Sociedade, v. 11, n. 2(19), p. 237-253, 2002.

SEYFERTH, G. Colonização, imigração e a questão racial no Brasil. ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 25, 2001, Caxambu. Disponível em: https://www.anpocs.com/index.php/encontros/papers/25-encontro-anual-da-anpocs/st-4/st10-3/4610-gseyferth-colonizacao/file. Acesso em: 10 mar. 2020.

SEYFERTH, G. Imigração e cultura no Brasil. Brasília: Ed. da UnB, 1990.

SILVA, G. do C. e. Geopolítica do Brasil. Rio de Janeiro: José Olympio, 1967.

SOUSA, I. S. F. de; VIEIRA, R. de C. M. T. Soybeans and soy foods in Brazil, with notes on Argentina: sketch of an expanding world commodity. In: DU BOIS, C.; TAN, C.; MINTZ, S. The world of soy. Chicago: University of Illinois Press, 2008. p. 234-256.

VALENTE, R. Os fuzis e as flechas: história de sangue e resistência indígena na Ditadura. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

VELHO, O. G. Capitalismo autoritário e campesinato. Rio de Janeiro: Difel, 1979.

WARNKEN, P. F. A influência da política econômica na expansão da soja no Brasil. Revista de Política Agrícola, v. 8, n. 1, 1999.

WESZ JUNIOR, V. J. O mercado da soja e as relações de troca entre produtores rurais e empresas no sudeste de Mato Grosso (Brasil). 2014. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

Publicado

2021-03-11

Edição

Seção

Artigos - Espaço, Economia e População