Em direção a uma utopia espacializada: romantismo e vida cotidiana no marxismo de Henri Lefebvre

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202139pt

Palavras-chave:

Henri Lefebvre, Direito à cidade, Romantismo, Apropriação, Cotidiano

Resumo

A presença do elemento espacial na reflexão de Henri Lefebvre não é mero resultado do trabalho de tradução e adaptação do pensamento crítico desenvolvido até o seu tempo. A compreensão de que nem mesmo a mais elevada expressão da tradição crítica havia notado suficientemente essa dimensão crucial da vida é um dos pontos de ligação entre o avanço teórico representado pela orientação espacial da crítica e o esforço de renovação do horizonte utópico. Uma assimilação muito particular do trabalho de juventude de Marx e a proximidade com o romantismo revolucionário, sobretudo de extração nietzschiana, tiveram impacto decisivo na concepção lefebvriana. A prática, o corpo, o gozo e os instintos, recobrando lugar na imaginação social crítica, se tornam a base da refundação de um programa teórico-prático que envolve a formulação da noção de direito à cidade. A perspectiva da apropriação substitui, assim, os vagos enunciados emancipatórios das filosofias do sujeito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

César Ricardo Simoni Santos, Universidade de São Paulo, Departamento de Geografia, São Paulo, SP, Brasil

Professor do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo (USP), credenciado ao Programa de Pós-graduação em Geografia Humana (PPGH) e afiliado ao Laboratório de Geografia Urbana (LABUR), também da USP. Atualmente, é coordenador do Grupo Limites da Acumulação e Reprodução do Espaço (Limiares), vice-coordenador do Grupo de Geografia Urbana Crítica Radical (GESP) e do Social Activities Gender Markets and Mobilities from below (SAGEMM) e membro do Grupo de Teoria Urbana Crítica do Instituto de Estudos Avançados da USP (IEA). É ainda autor de outros trabalhos de interesse para o campo da teoria urbana crítica, tais como o livro A fronteira urbana: industrialização, urbanização e mercado imobiliário no Brasil e o artigo Henri Lefebvre e a morfologia de uma dialética espacial, e um dos organizadores do livro Geografia urbana crítica: teoria e método.

Referências

ALVAREZ, I. P. A noção de mobilização do espaço em Henri Lefebvre. Geousp: Espaço e Tempo (Online), v. 23, n. 3, p. 494-505, dez. 2019.

BIAGI, F. The Marxian Legacy in Defense of Utopian Thinking: Notes on Lefebvre’s Thought. In: BIAGI, F.; FERRARO, G.; MASINI, M. (Org.) Utopia as a Form of Life, Thomas Project, n. 2, December, 2019, p. 45-57

BLECHMAN, M. Revolutionary romanticism: a reply to Agnes Heller”. Radical Philosophy, 99, January/February, 2000, p. 40-43.

CARLOS, A. F. A virada espacial. Mercator: Revista de Geografia da UFC, 14(4), 2015, 7-16. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=273644811002. Acesso em: 25 out. 2021.

GRINDON, G. Revolutionary Romanticism. Third Text, v. 27, n. 2, 2013, p. 208-220.

LEFEBVRE, H. Problèmes de sociologie rurale ». In: LEFEBVRE, H. Du rural à l’urbain. Paris: Anthropos, [1949] 2000, p. 21-40.

LEFEBVRE, H. Perspectives de la sociologie rurale. In: LEFEBVRE, H. Du rural à l’urbain. Paris: Anthropos, [1953] 2000, p. 64-78.

LEFEBVRE, H. Lukács 1955. Paris: Aubier, 1955.

LEFEBVRE, H. Revolutionary Romanticism, Art in Translation, n. 4, v. 3, [1957] 2012, p. 287-299.

LEFEBVRE, H. La somme et le reste. Paris : Economica/Anthropos, [1959] 2009.

LEFEBVRE, H. Critique de la vie quotidienne II. Paris : L’Arche, 1961.

LEFEBVRE, H. Utopie experimentale: pour un nouvel urbanisme. In: LEFEBVRE, H. Du rural à l’urbain. Paris: Anthropos, [1961] 2000, pp. 129-140.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Editora Moraes, [1968] 1991.

LEFEBVRE, H. O fim da história. Lisboa: Dom Quixote, [1970] 1971.

LEFEBVRE, H. A revolução urbana. Belo Horizonte: UFMG, [1970] 1999.

LEFEBVRE, H. Espaço e política. Belo Horizonte: UFMG, [1972] 2008.

LEFEBVRE, H. A re-produção das relações sociais de produção. Porto: Escorpião, [1973] 1973.

LEFEBVRE, H. La production de l’espace. Paris: Anthropos, [1974] 2000.

LEFEBVRE, H. Hegel, Marx e Nietzsche ou o reino das sombras. Lisboa: Ulisseia, [1975] 1976.

LEFEBVRE, H. Une pensée devenue monde: faut-il abandonner Marx? Paris: Fayard, 1980.

LEFEBVRE, H. Critique de la vie quotidienne III. Paris : L’Arche, 1981.

LÖW, M. O spatial turn: para uma sociologia do espaço. Tempo Social, v. 25, n. 2, 2013, 17-34.

LÖWY, M. Préface. In: AJZEMBERG, A.; LETHIERRY, H; BAZINEK, L. (Org.) Maintenant Henri Lefebvre: renaissance de la pensée critique. Paris: L’Harmattan, 2011.

LÖWY, M.; SAYRE, R. Révolte et mélancolie: Le romantisme à contre-courant de la modernité. Paris: Payot, 1992.

LUKÁCS, G. La destruction de la raison I: les débuts de l’irrationalisme moderne, de Schelling à Nietzsche. Paris: L’Arche, [1954] 1959.

MARCOLINI, P. L’Internationale situationniste et la querelle du romantisme révolutionnaire. Noesis [En ligne], n. 11, 2007, p. 31-46.

ROSENFELD, A. Aspectos do romantismo. In: ROSENFELD, A. Texto/Contexto. São Paulo: Perspectiva, 1969, p. 145-168.

SIMONI-SANTOS, Henri Lefebvre e a morfologia de uma dialética espacial. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 23, n. 3, p. 525-550, dez, 2019.

SOJA, E. Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar: [1990] 1993.

Publicado

2021-12-08

Edição

Seção

Artigos - Cidade, História e Cultura