Vantagens comparativas reveladas e divisão inter-regional do trabalho na economia brasileira

Autores

  • Rosembergue Valverde Universidade Estadual de Feira de Santana, Departamento de Ciências Sociais Aplicadas, Feira de Santana, BA, Brasil https://orcid.org/0000-0003-1595-0837

DOI:

https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202205

Palavras-chave:

Desigualdade Regional, Concentração Espacial Produtiva, Desenvolvimento Econômico

Resumo

O objetivo deste trabalho é capturar possíveis mudanças no modo de inserção das economias regionais nas cadeias nacionais de valor por meio da utilização de indicadores de vantagens comparativas, desenvolvidos por Béla Balassa e aperfeiçoados por Gérard Lafay, e de indicadores de trocas intraindustriais, elaborados por Herbert Grubel e Peter Lloyd e aprimorados por Antonio Aquino. Com base no comércio inter-regional, desagregado por setores produtivos, extraem-se duas constatações. A primeira é que, em termos de valor agregado, a produção industrial continua fortemente concentrada. A outra aponta para a sedimentação de uma segunda divisão inter-regional do trabalho, que se segue ao processo de desconcentração da produção industrial iniciado nos anos 1970. Após esse período, as participações dos estados menos desenvolvidos nas cadeias nacionais de valor são reorientadas de forma paulatina para a oferta de bens semimanufaturados, de baixa intensidade tecnológica e intensivos tanto em mão de obra como em matérias-primas. Dessa maneira, mudanças significativamente importantes ocorrem na hierarquia do modo de inserção das economias regionais nas cadeias nacionais de valor, possíveis de serem reveladas somente com base na disponibilidade de Matrizes Interestaduais de Insumo-Produto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosembergue Valverde, Universidade Estadual de Feira de Santana, Departamento de Ciências Sociais Aplicadas, Feira de Santana, BA, Brasil

Economista e mestre em Economia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Doutor em Economia pela Universidade de Paris XIII. Professor titular-pleno da Universidade Federal de Feira de Santana (UEFS). Pesquisador do Grupo de Estudos em Macroeconomia Aplicada (GEMA), com áreas de interesse em Métodos Quantitativos Aplicados à Economia; Macroeconomia de Curto Prazo e Crescimento e Desenvolvimento Econômico.

Referências

ANTRÀS, P.; GORTARI, A. de. On the geography of Global Value Chains. Econometrica, 84(4): p. 1553-1598, 2020.

AQUINO, A. Intra-industry trade and inter-industry specialization as concurrent sources of international trade in manufactures. Weltwirtschaftliches Archiv, v. 114, p. 275-296, 1978.

AZZONI, C. R. Indústria e reversão da polarização no Brasil. São Paulo: IPE-USP, 1986.

BALASSA, B. Trade liberalisation and revealed comparative advantage. Manchester School of Economic and Social Studies, v. 33, p. 99-123, 1965.

BALASSA, B. Tariff reductions and trade in manufactures among industrial countries. American Economic Review, v. 56, p. 466-473, 1966.

BALDWIN, R.; VENABLES, A. J. Spiders and snakes: offshoring and agglomeration in the global economy. Journal of International Economics, 90.2, p. 245-254, 2013.

CANO, W. Raízes da concentração industrial em São Paulo. 5. ed. Campinas: Ed. da Unicamp, [1977] 2007.

CANO, W. Desequilíbrios regionais e concentração industrial no Brasil 1930-1970 – 1970-1995. 2. ed. rev. e aum. Campinas: Ed. da Unicamp, 1985.

CANO, W. Desconcentração produtiva regional no Brasil 1970-2010. 3. ed. São Paulo: Ed. da Unesp, 2008.

COUTINHO, L. G.; FERRAZ, J. C. (coord.). Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas: Papirus, 1995.

DINIZ, C. C. Desenvolvimento poligonal no Brasil: nem desconcentração, nem contínua polarização. Nova Economia, v. 3, n. 1, p. 35-64, 1993.

FURTADO, C. Formação econômica do Brasil. 15. ed. São Paulo: Editora Nacional, [1959] 1977.

GEREFFI, G.; HUMPHREY, J.; STURGEON, T. The Governance of Global Value Chains. Review of International Political Economy, 12(1), p. 78-104, 2005.

GEREFFI, G.; KORZENIEWICZ, M.; KORZENIEWICZ, R. Introduction: global commodity chains. In: GEREFFI. G.; KORZENIEWICZ, M. (ed.). Commodity chains and global capitalism. Westport, CT: Praeger, 1994. p. 1-14.

GRUBEL, H.; LLOYD, P. Intra-Industry trade. The theory and measurement of international trade in differentiated products. London: Macmillan Press, 1975. p. 205.

GUIMARÃES NETO, L. Dinâmica recente das economias regionais brasileiras. Revista Paranaense de Desenvolvimento, n. 86, p. 123-152, set.-dez. 1995.

GUIMARÃES NETO, L. Desigualdades e políticas regionais no Brasil: caminhos e descaminhos. Planejamento e Políticas Públicas, IPEA, Brasília, n. 15, p. 41-95, 1997.

HADDAD, E.; GONÇALVES JÚNIOR, C. A.; NASCIMENTO, T. O. Matriz Interestadual de Insumo-Produto para o Brasil: uma aplicação do Método IIOAS. Revista Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, v. 11, n. 4, p. 424-446, 2017.

KOOPMAN, R.; WANG, Z.; WEI, S.-J. Tracing value-added and double counting in gross exports. The American Economic Review, v. 104, n. 2, p. 459-94, 2014.

KRUGMAN, P. Increasing returns, monopolistic competition, and international trade. Journal of International Economics, 9, p. 469-479, 1979.

KRUGMAN, P. Scale economies, product differentiation, and the pattern of trade. The American Economic Review, 70, n. 5, p. 950-59, 1980.

KRUGMAN, P. Intraindustry specialization and the gains from trade. Journal of Political Economy, 89, p. 959-973, 1981.

LAFAY, G.; HERZOG, C. Commerce international: la fin des avantages acquis. Economica, 1989.

LASSUDRIE-DUCHENE B. Décomposition internationale des processus productifs et autonomie nationale. In: BOURGUINAT, H. (ed.). Internationalisation et autonomie de décision. Paris: Economica, 1982. pp. 45-56.

OLIVEIRA, F. Economia brasileira: crítica à razão dualista. 4. ed. Petrópolis: Vozes, [1972] 1981.

OLIVEIRA, F. de. Elegia para uma re(li)gião: Sudene. Planejamento e conflito de classes. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977a.

OLIVEIRA, F. de. A economia da dependência imperfeita. Rio de Janeiro: Graal, 1977b.

PACHECO, C. A. A questão regional brasileira pós-1980: desconcentração econômica e fragmentação da economia nacional. 1996. Tese (Doutorado) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

PACHECO, C. A. A fragmentação da nação. Campinas: Ed. da Unicamp, 1998.

Publicado

2022-03-15

Edição

Seção

Artigos - Espaço, Economia e População