“Aqui a vale é o Estado”: neoextrativismo e autoritarismo na cidade, no campo e na floresta na região de Carajás

Autores

  • Rodrigo Castriota Politecnico di Torino, Dipartimento Interateneo di Scienze, Progetto e Politiche del Territorio, Torino, Itália https://orcid.org/0000-0001-9081-3993

DOI:

https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202408

Palavras-chave:

Neoextrativismo, Mineração, Urbanização, Vale, Amazônia, Carajás, Autoritarismo, Pará

Resumo

Neste artigo apresento formas neoextrativistas de autoritarismo na região de Carajás, no sudeste paraense, que dependem de uma extensa influência corporativa nas múltiplas escalas de governança estatal e nos múltiplos poderes do Estado. A partir de dados secundários e de pesquisa qualitativa realizada em Canaã dos Carajás, discuto a atuação da Vale no município após a instalação do Projeto Ferro Carajás S11D. Apresento essas formas contemporâneas de autoritarismo neoextrativista em três geografias distintas: cidade, campo e floresta. A primeira é baseada na produção do espaço urbano a partir dos recursos da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem) e das chamadas políticas de responsabilidade social corporativa; a segunda se refere aos mecanismos de despossessão de vilas e acampamentos sem-terra na zona rural do município; e a terceira trata da operacionalização da floresta através de unidades de conservação e da legislação ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Castriota, Politecnico di Torino, Dipartimento Interateneo di Scienze, Progetto e Politiche del Territorio, Torino, Itália

Pesquisador do Departamento Interuniversitário de Estudos Urbanos e Regionais e Planejamento, Politecnico di Torino, no projeto Inhabiting Radical Housing e membro do Beyond Inhabitation Lab, um coletivo de pesquisadorxs e ativistxs que investiga lutas por moradia e estratégias de habitação em suas múltiplas interseções com questões urbanas, sociais e ambientais. Possui interesse em temas como: urbanização extensiva; teorias do espaço e da urbanização; economias populares; Amazônia; etnografia urbana; neoextrativismo e estudos decoloniais.

Referências

ALMEIDA, A. W. Carajás: a guerra dos mapas. Belém: Supercores, 1994

AMARAL, A. V. As paisagens de Canaã dos Carajás (PA) – análise e evolução da paisagem na fronteira agropecuária e minerária. 2021. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Geografia Física, Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2021. Doi: 10.11606/D.8.2021.tde-01062021-203126

BARROS, J. N. A Mirada Invertida de Carajás: a Vale e a mão-de-ferro na política de terras. 2018. Tese de Doutorado, Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional, Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

BRENNER, N.; SCHMID, C. Towards a new epistemology of the urban? City, v. 19, n. 2-3, p. 151-182, 2015.

BRENNER, N. New state spaces: Urban governance and the rescaling of statehood. Oxford: Oxford University Press, 2004.

BRASIL. Restabelece princípios da Lei n° 7.505, de 2 de julho de 1986, institui o Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac) e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 24 de dezembro de 1991, p. 30261. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8313cons.htm.

BRASIL. Lei Complementar n. 87, de 13 de setembro de 1996. Dispõe sobre o imposto dos Estados e do Distrito Federal sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, e dá outras providências. (Lei Kandir). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 de novembro de 1996, p. 18261. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lcp/lcp87.htm.

BRASIL. Lei n. 13.540 de 18 de dezembro de 2017. Altera as leis nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989, e 8.001, de 13 de março de 1990, para dispor sobre a compensação financeira pela exploração de recursos minerais (CFEM). Diário Oficial da União, Brasília, DF. Disponível em: https://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=LEI&numero=13540&ano=2017&ato=90foXRq5EeZpWT738.

CABRAL, E. R.; ENRÍQUEZ, M. A. R. S.; SANTOS, D. V. Canaã dos Carajás do leite ao cobre: transformações estruturais do município após a implantação de uma grande mina. In: FERNANDES, F. R. C.; ENRÍQUEZ, M. A. R. S.; ALAMINO, R. C. J. (eds). Recursos minerais & sustentabilidade territorial: grandes minas. Rio de Janeiro: CETEM/MCTI, 2011. v.1. p. 39-68. Disponível em: http://mineralis.cetem.gov.br/handle/cetem/1162. Acesso em: 12 maio 2018.

CANAÃ DOS CARAJÁS. Diagnóstico Socioeconômico do Município de Canaã dos Carajás, Estado do Pará. Prefeitura de Canaã dos Carajás, Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Pará, 119 p., 2016. Disponível em: http://www.canaadoscarajas.pa.gov.br/antigo/arquivos/semdec/DIAGNOSTICO-CANAA-Versao-Final-FEV2016.pdf. Acesso em 4 de abril de 2020.

CÂNDIDO, L. A cidade entre utopias: o Neoliberalismo e o Comum na produção contemporânea do espaço urbano amazônico. 2018. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.

CARDOSO, A. C. D.; CÂNDIDO, L.; MELO, A. C. Canaã dos Carajás: a laboratory study concerning the circumstances of urbanization, on the global periphery at the dawn of the 21st century. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 20, n. 1, p. 121-140, 2018. Doi: 10.22296/2317-1529.2018v20n1p121.

CASTRIOTA, R. The Mine, The City and The Encampment: Contesting Extractivism in Eastern Amazonia. In: SCHMID, C.; TOPALOVIC, M. (eds.) Extended Urbanization. Tracing Planetary Struggles.Basel: Birkhauser Verlag GmbH, 2023, p. 83-119.

CASTRO, E. Socio-Environmental Conflicts in Amazonia. The Complex Fabric of Amazonia. Webinar Amazonia Now: Perspectives on a Region in Crisis, Day II, 16 a 19 nov. 2020. Organized by Portuguese Program in the Department of Modern Languages and Linguistics at Florida State University. Disponível em https://amazonialatitude.com/amazonia-now-perspectives-on-a-region-in-crisis/

COELHO, M. C.; COTA, R. G. (org.). Dez Anos da Estrada de Ferro Carajás. Belém: UFPA-NAEA, 1997.

COELHO, T. P. Projeto Grande Carajás: Trinta anos de desenvolvimento frustrado. Belém: iGuana, 2015.

COSTA, H. S. M.; MONTE-MÓR, R. L. Cidades Industriais Planejadas e a Exclusão da Força de Trabalho. In: ENA - Encontro Nacional da ANPUR. 6., Brasília, 1995. Anais ... Anpur: Brasília, 1995. p. 420-430. Disponível em: https://anpur.org.br/anais-do-vi-encontro/

COSTA, F. A. Nem tudo no ouro reluz: considerações para uma economia política da garimpagem na fronteira amazônica. In: MATHIS, A. Consequências da garimpagem no âmbito social e ambiental na Amazônia. Belém: Fase-Bunststift-Katalyse, p. 10-20, 1993.

EMMI, M. F. A oligarquia do Tocantins e o domínio dos castanhais. Belém: NAEA/UFPA, 1998.

FEITOSA, E. Duplicação da Estrada de Ferro Carajás e Impactos Sociais: O Caso do Bairro Alzira Mutran. 2013. Trabalho de Conclusão de Curso. Bacharel em Ciências Sociais. Faculdade de Ciências Sociais do Araguaia Tocantins. Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), Marabá, 2013.

GODFREY, B. J. Boom Towns of the Amazon. Geographical Review, v. 80, n. 2, p. 103-117, 1990.

GOONEWARDENA, K. The Urban Sensorium: Space, Ideology and the Aestheticization of Politics. Antipode, v. 37, n. 1, p. 46-71, 2005.

GUDYNAS, E. Extractivismos: ecología, economía y política de un modo de entender el desarrollo y la naturaleza. Cochabamba: CEDIB, 2015.

HARVEY, D. A brief history of neoliberalism. Oxford University Press: USA, 2005.

IBASE. Contradições do desenvolvimento e o uso da CFEM em Canaã dos Carajás (PA). Coordenação de Maria Amélia Enríquez. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas, 2018.

LASCHEFSKI, K. A. Rompimento de barragens em Mariana e Brumadinho (MG): Desastres como meio de acumulação por despossessão. Ambientes. v. 2, n. 1, p. 98-143. 2020.

LEFEBVRE, H. The Production of Space. Oxford: Blackwell, 1991.

MALHEIRO, B. O que Vale em Carajás? Geografias de exceção e r-existência pelos caminhos do ferro na Amazônia. 2019. Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Federal Fluminense, 2019.

MALHEIRO, B.; PORTO-GONÇALVES, C. W.; MICHELOTTI, F. Horizontes Amazônicos. Para repensar o Brasil e o Mundo. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, Expressão Popular, 2021.

MELO, C. O Invisível em Movimento: Um estudo sobre o urbano e suas possibilidades no Sudeste Paraense. 2020. Tese (Doutorado em Economia), Belém, Universidade Federal do Pará, 2020.

MICHELOTTI, F. Territórios de Produção Agromineral: Relações de Poder e Novos Impasses na Luta pela Terra no Sudeste Paraense. 2019. Tese de Doutorado, Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional, IPPUR, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

MONTE-MÓR, R. L. Modernities in the Jungle: Extended Urbanization in the Brazilian Amazonia. 2004. Tese de Doutorado, University of California Los Angeles, 2004.

PALHETA DA SILVA, J. M. Território e mineração em Carajás, Belém: GAPTA/UFPA, 2013.

PEREIRA, A. R. Do posseiro ao sem-terra: a luta pela terra no sul e sudeste do Pará. Recife: Editora UFPE, 2015.

REIS, I. O avanço da mineração na Amazônia e a resistência dos moradores da Vila Racha Placa no município de Canaã dos Carajás: uma análise à luz do processo de acumulação de capital. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade de Ciências Sociais do Araguaia e Tocantins da Universidade Federal do Pará, Campus de Marabá. Marabá/Pará, 2014.

SANTOS, A. A. S. Mineração e Conflitos Fundiários no Sudeste Paraense. 2018. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará, Instituto de Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Dinâmicas Territoriais e Sociedade na Amazônia – PDTSA, 2018a.

SANTOS, J. L. R. Território em transe: a Floresta Nacional de Carajás. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade, 5, 2018, Florianópolis. Anais... Florianópolis: Anppas. 2018b.

SVAMPA, M. Commodities consensus: Neoextractivism and enclosure of the commons in Latin America. South Atlantic Quarterly, v. 114, n. 1, p. 65-82, 2015.

VELHO, O. G. Frentes de expansão e estrutura agrária: estudo do processo de penetração numa área da Transamazônica. Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2009 [1972]. Disponível em: http://books.scielo.org/id/zjf4z. Doi: /10.7476/9788599662915

ZHOURI, A. (org.) Mineração, Violências e Resistências: Um campo aberto à produção de conhecimento no Brasil. ABA: Editorial iGuana, 2018.

Publicado

2024-01-14

Como Citar

Castriota, R. (2024). “Aqui a vale é o Estado”: neoextrativismo e autoritarismo na cidade, no campo e na floresta na região de Carajás . Revista Brasileira De Estudos Urbanos E Regionais, 26(1). https://doi.org/10.22296/2317-1529.rbeur.202408

Edição

Seção

Dossiê Neoextrativismo e autoritarismo