Entre o nó e a rede, dialéticas espaciais contemporâneas: o caso da metrópole de Campinas diante da megalópole do Sudeste do Brasil

Eugenio Fernandes Queiroga, Denio Munia Benfatti

Resumo


Discute-se, diante do meio técnico-científico-informacional, o estabelecimento de novos processos de urbanização, particularmente relacionados à formação de uma nova entidade urbana no país: a Megalópole do Sudeste do Brasil. Destaca-se neste quadro a Metrópole de Campinas, pólo intermediário na rede urbana complexa e expansiva que compõe o território megalopolitano. A Região Metropolitana de Campinas apresenta-se como caso exemplar para o estudo da urbanização dispersa e para a compreensão de dialéticas espaciais que caracterizam, em boa medida, alguns importantes processos de urbanização contemporâneos. Afirma-se a complexidade megalopolitana como elemento fundamental para o entendimento da estruturação da metrópole campineira, indo além de sua classificação como metrópole regional ou incompleta.

 


Palavras-chave


megalópole; metrópole contemporânea; dialéticas espaciais.

Texto completo:

PDF (PORTUGUÊS)

Referências


ARENDT, H. (1958). A condição humana. Trad. Roberto Raposo, 5. ed, Rio de Janeiro: Forense Universitária,1991.

ASCHER, F. “Metropolização e transformação dos centros das cidades”. In: ALMEIDA, M. A. (apresentação). Os centros das grandes metrópoles: reflexões e propostas para a cidade democrática do século XXI. São Paulo: Terceiro Nome: Viva o Centro/Imprensa Oficial do Estado, 2001, p.59-67.

CALDEIRA, T. P. R. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. Trad.: Frank de Oliveira e Henrique Monteiro. São Paulo: Ed.34/Edusp, 2000.

EMPLASA. Metrópoles em dados. Disponível em: http://www.emplasa.sp.gov.br/metrodados . Acessado em dez. 2006.

Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. IX Recenseamento Geral do Brasil (1980). Censo Industrial: Dados Gerais. v. 3. Rio de Janeiro: IBGE, 1984.

Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Censo Demográfico 2000 – Sinopse preliminar. Disponível em: http://www. ibge.gov.br/ibge/estatística/população/censo2000/sinopse . Acessado em nov. 2001.

Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades@ (Banco de dados). Disponível em: http://www.ibge.gov.br/cidadesat . Acessado em dez. 2006.

Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados – SEADE. Informações dos municípios paulistas. Disponível em: http://www.seade.gov.br . Acessado em dez. 2006.

GOTTMANN, J. (1961). Megalópolis – The urbanized Northeastern Seabord of the United States. 2. ed. Cambridge: M.I.T. Press, 1965.

HABERMAS, J. (1968). “Técnica e ciência enquanto ‘ideologia’”. In: BENJAMIN, W. et al. Textos escolhidos.Trad. Zeljko Loparic. São Paulo: Abril, 1975. p.303-33. (Coleção “Os Pensadores – História das grandes idéias do mundo ocidental”, v. XLVIII).

HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade. Trad. Ana Maria Bernardo et al. Lisboa: Dom Quixote, 1990.

LENCIONI, S. Reestruturação urbano-industrial. Centralização do Capital e desconcentração da Metrópole de São Paulo. A indústria têxtil. 1994. Tese (Doutorado em Geografia) – Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 1994.

QUEIROGA, E. A megalópole e a praça: o espaço entre a razão de dominação e a ação comunicativa. 2002. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2002.

RANDOLPH, R. “Utopia burguesa ou revolução urbana? Transformações da organização territorial e novas formas urbanas em áreas perimetropolitanas do Rio de Janeiro”. In: XI Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional. Anais. Salvador: UFBA, 2005. (Cd-rom).

REIS, N. G. Notas sobre urbanização dispersa e novas formas de tecido urbano. São Paulo: Via das Artes, 2006.

RONCAYOLO, M. La ville et ses territories. Paris: Gallimard, 1992.

SANTOS, M. Espaço e método. São Paulo: Hucitec, 1985.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. São Paulo: Hucitec, 1994.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SOJA, E. “O desenvolvimento metropolitano pós-moderno nos E.U.A: virando Los Angeles pelo avesso”. In: SANTOS, M.; SOUZA, M. A.; SILVEIRA, M. L. (Orgs.; 1994), Território, globalização e fragmentação. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 1996. p.154-68.

SOUZA, M. A. Cidades médias e desenvolvimento industrial – uma proposta de descentralização metropolitana. São Paulo: Secretaria de Economia e Planejamento do Estado de São Paulo, 1978.

SOUZA, M. A. Conexões geográficas: um ensaio metodológico (Uma versão ainda preliminar). Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 71, p.113-27, 1992.

THÉRY, H.; MELLO, N. A. Atlas do Brasil: Disparidades e Dinâmicas do Território. São Paulo: Edusp, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.22296/2317-1529.2007v9n1p41

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE ESTUDOS URBANOS E REGIONAIS - REV. BRAS. ESTUD. URBANOS REG. (Online)

ISSN: 2317-1529 (eletrônico); 1517-4115 (impresso)

 

Indexadores, Repositórios e Bases de dados:

                            


Redes Sociais: 


Licenciada sob uma Licença Creative Commons:

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia