Centros históricos brasileiros: tensões entre a obsolescência imobiliária e a construção de novas espacialidades

  • Iana Ludermir Bernardino Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Arquitetura e Urbanismo, Recife, PE
  • Norma Lacerda Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Arquitetura e Urbanismo, Recife, PE
Palavras-chave: centro histórico, conservação, mercado imobiliário, legislação preservacionista, obsolescência.

Resumo

Nas cidades brasileiras, a contínua produção de novas unidades habitacionais amplia e redefine fronteiras urbanas, enquanto um grande estoque de edificações mantém as suas condições de uso nos centros históricos. As leis preservacionistas, que restringem as possibilidades de intervenção e de adaptação dos imóveis às demandas contemporâneas, parecem contribuir para o engessamento dos Setores de Preservação Rigorosa. O tecido histórico, pouco a pouco, passa a testemunhar o surgimento de empreendimentos que transformam a dinâmica espacial e a paisagem a que se avizinham. Este trabalho apresenta reflexões acerca da dinâmica urbana dos centros históricos de grandes cidades brasileiras, com foco nas tensões entre a obsolescência imobiliária e a construção de novas espacialidades, tendo o centro do Recife como estudo de caso.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iana Ludermir Bernardino, Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Arquitetura e Urbanismo, Recife, PE
Professora do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pernambuco da área de Planejamento Urbano (Auxiliar I). Arquiteta e urbanista pela Universidade Federal de Pernambuco (2008). Mestre em Desenvolvimento Urbano pelo Pograma de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano da UFPE com dissertação sobre as condições de habitabilidade em imóveis históricos em áreas urbanas centrais. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal de Pernambuco com foco no tema do mercado imobiliário em centros históricos.

Referências

ABRAMO, P. A regulação urbana e o regime urbano: a estrutura urbana, sua reprodutibilidade e o capital. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 510-555, 1995.

ANTIGO prédio do Diário de Pernambuco é cedido pelo governo ao Porto Digital. Diário de Pernambuco, Recife, 20 nov. 2014. Disponível em: <http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/economia/2014/11/20/internas_economia,544142/antigo-predio-do-diario-de-pernambuco-e-cedido-pelo-governo-ao-porto-digital.shtml>. Acesso em: 24 abr. 2015.

BERNARDINO, I. L. Para morar no centro histórico: condições de habitabilidade no sítio histórico da Boa Vista no Recife. 2011. 202 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Urbano) – Centro de Artes e Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.

BONATES, M. Ideologia da casa própria...sem casa própria. João Pessoa: Ed. UFPB, 2009.

BORSDORF, A. Cómo modelar el desarrollo y la dinámica de la ciudad latino-americana. Eure, Santiago, v. 29, n. 86, 2003.

BRENDLE, M.; VIEIRA, N. Cais do Sertão Luiz Gonzaga no Porto Novo do Recife: destruição travestida em ação de conservação. Vitruvius, São Paulo, v. 13, n. 150.03, n.p., nov. 2012. Disponível em: <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/13.150/4460>. Acesso em: 14 abr. 2015.

CARRIÓN, F. Centro Histórico: relación social, globalización y mitos. In: POSSO, A. M. (Org.). Políticas y gestión para la sostenibilidad del patrimonio urbano. Bogotá: CEJA, 2001. p. 25-52.

DEL RIO, V. Desenho Urbano e revitalização na Área Portuária do Rio de Janeiro: a contribuição do estudo da percepção ambiental. 1991. 518 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1991.

JARAMILLO, S. Hacia una teoría de la renta del suelo urbano. Bogotá: Centro de estudios para desarrollo económico, 1977.

LACERDA, N. Estado, capital financeiro, espaço habitacional: o caso da região Metropolitana do Recife. Recife: Ed. UFPE, 1990.

LACERDA, N.; ANJOS, K. Primazia do mercado de locação nos bairros degradados dos centros históricos das cidades brasileiras: o caso do Recife. In: SEMINÁRIO DA RED IBEROAMERICANA DE INVESTIGADORES SOBRE GLOBALIZACIÓN Y TERRITÓRIO, 13., 2014, Salvador. Anais do XIII Seminário da Red Iberoamericana de Investigadores sobre globalización y território. Salvador: RII; SEI/BA, 2014. Disponível em: <http://www.rii.sei.ba.gov.br/anais_xiii/gt2/gt2_norma.pdf>. Acesso em: 25 abr. 2015.

LIPIETZ, A. Le tribut foncier urbain. Paris: F. Maspero, 1974.

MAXAMBOMBA. O Nordeste, Olinda, [200?], n.p. Disponível em: <http://www.onordeste.com/onordeste/enciclopediaNordeste/index.php?titulo=Maxambomba&ltr=m&id_perso=6389>. Acesso em: 27 abr. 2015.

RIBEIRO, L. C. Q. Dos cortiços aos condomínios fechados: as formas de produção da moradia na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; IPPUR/UFRJ; FASE, 1997.

ROLNIK, R. Um novo lugar para o velho centro. Cidades do Brasil. Minha Cidade, São Paulo, v. 6, n. 071.01, jun. 2006. Disponível em: <http://www.vitruvius.com.br/minhacidade/mc164/mc164.asp>. Acesso em: 17 abr. 2015.

SIMÕES JÚNIOR, J. G. Revitalização de centros urbanos. São Paulo: Publicações Polis, 1994.

UM OLHAR na história para construir o futuro. Recife: Porto Novo Recife, [2014?]. Disponível em: <http://portonovorecife.com.br/portorecife>. Acesso em: 22 abr. 2015.

VAZ, L. Modernidade e Moradia: habitação coletiva no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: 7Letras, 2002.

VILLAÇA, F. Espaço intraurbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel; FAPESP; Lincoln Institute, 1998.

Publicado
2015-04-25
Seção
Artigos