A Santa Casa de Misericórdia do Recife: lógica rentista e conservação dos seus bens patrimoniais | The Santa Casa de Misericórdia of Recife: rental-income logics and conservation of its heritage assets

Palavras-chave: Santa Casa de Misericórdia, Centro Histórico, conservação de bens patrimoniais, lógica rentista, mercado de aluguel.

Resumo

A Santa Casa de Misericórdia, instituição beneficente criada em Portugal em 1498, aportou, no século XVI, nas primeiras formações urbanas do Brasil colonial. Durante a realização da pesquisa sobre o mercado imobiliário no Centro Histórico do Recife (CHR), entre 2012 e 2016, surpreendemo-nos com a elevada quantidade de imóveis alugados da Santa Casa de Misericórdia da capital pernambucana. Isso nos impulsionou a averiguar a sua função como agente imobiliário rentista e suas implicações na conservação do seu patrimônio. Para tanto, foram analisadas a formação desse patrimônio – tributária de doações/heranças com vistas à salvação da alma –, a sua lógica rentista e a relação entre a rentabilidade e a conservação dos seus bens patrimoniais no CHR.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luanancy Lima Primavera, Universidade Federal de Pernambuco

Arquiteta e Urbanista - Mestranda do MDU/UFPE

Norma Lacerda, Universidade Federal de Pernambuco

Professora Titular do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFPE, coordenadora do Grupo de Pesquisa em Mercado Imobiliário e Fundiário - GEMFI

Priscila Vasconcelos, Universidade Federal de Pernambuco
Professora Adjunta do Departamento de Ciências Geograficas da UFPE, pesquisadora do Grupo de Pesquisa em Mercado Imobiliário e Fundiário - GEMFI

Referências

ABRAMO, P. Favela e mercado informal: a nova porta de entrada dos pobres nas cidades brasileiras. Porto Alegre: Antac, 2009.

BERNARDES, D. A. de M. Para reler o Recife e suas origens: In: RESENDE, A. P. Recife: que história é essa? Recife: Fundação de Cultura da Cidade do Recife, 1987.

IMPRENSA OFICIAL. Inventário dos prédios edificados ou reparados pelos holandeses na cidade do Recife até 1654. Ano: 1940.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA. Cadastro Nacional de Endereços para fins Estatístico, 2010.

LACERDA, N. La production sociale des intérêts fonciers et immobiliers: le cas de Recife (Brésil). Tese de Doutorado. Géographie, Aménagement et Urbanisme. Université Sorbonne Nouvelle. Paris, 1993.

______. Mercado de aluguel em áreas pobres à luz da teoria das convenções. Olinda: Ceci, 2011.

______. Mercado imobiliário de bens patrimoniais: um modelo interpretativo a partir do centro histórico do Recife. Revista Eure. Vol. 44, maio 2018, pp. 113-132.

______.; ANJOS, K. A regulação da dinâmica espacial nos centros históricos brasileiros em tempos de globalização: o caso do Recife (Brasil). In: FERNANDES, A. C.; LACERDA, N.; PONTUAL, V. (Orgs). Desenvolvimento, planejamento e governança: o debate contemporâneo em 30 anos de Anpur. Anpur, 2015.

______.; FERNANDES., A. C. Parque tecnológico: entre a inovação e a renda imobiliária no contexto da metrópole recifense (Brasil). Cadernos Metrópole, vol. 17 (n° 34), 329-354, 2015.

______.; TOURINHO, H. L. Z.; LOBO, M. A. A.; WALL, M. Dinâmica do mercado imobiliário nos centros históricos em tempos de globalização: os casos do Recife, Belém e São Luís (Brasil). Cadernos Metrópole, 2018.

LEITE, H. L. S. de Oliveira. Desfeitos modernizantes: a demolição da Igreja do Senhor Bom Jesus dos Martírios, Recife (1971-1973). III Colóquio de História – Brasil: 120 anos de República. Recife. Unicap/2009.

LIPIETZ, A. Le Tribut foncier. Paris: François Mapero, 1974.

LOPES, P. S. Queremos deixar obras feitas para o futuro (discurso). Disponível em: <http://microsite.scml.pt/obrassantacasa/>. Acessado em: 12 de outubro de 2017.

LORETTO, R. P. Paraíso e martírios: histórias de destruição de artefatos urbanos e arquitetônicos no Recife. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco, 2008.

PIKETTY, T. O capital no século XXI. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.

PRIMAVERA, L. L. Santa Casa da Misericórdia: entre a lógica rentista e a conservação do patrimônio histórico no Centro Histórico do Recife. Trabalho de Conclusão do Curso de Graduação. Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pernambuco, 2017.

RECIFE. Informações Geográficas do Recife (ESIG), 2014.

ROCHA, L. A. Caridade e poder: a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Campinas (1871-1889). Campinas. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, 2005.

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO RECIFE. Ficha descritiva dos imóveis e seus aluguéis. Recife: Santa Casa de Misericórdia do Recife. Setor de Patrimônio, 2008.

__________. Notas explicativas das demonstrações contábeis dos exercícios findos (31/12/2016 e 31/12/2015). Recife: Portal da Transparência da Santa Casa da Misericórdia do Recife.

__________. Relatório da 10ª Junta Administrativa da Santa Casa de Misericórdia do Recife, 1878. Recife: Acervo da Fundação Joaquim Nabuco – Fundaj).

SÁ, I. dos G. Quando o rico se faz pobre: Misericórdias, caridade e poder no Império Português 1500-1800. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 1997.

SANTOS, M. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana. 2. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

SILVEIRA, M. L. Metrópolis brasileñas: un análisis de los circuitos de la economía urbana. Revista Eure, no 100, p. 149-164, dez. 2017.

TOPALOV, C. Le Profit, la rente et la ville. Élements de théorie. Paris: Economica, 1984.

UNIVERSIDADE DE CAMPINAS. Navegando na história da educação brasileira. Padroado (verbete − elaboração: TOLEDO, C. de A. A. de; RUCKSTADTER F. M. M.; RUCKSTADTER, V. C. M.) Disponível em: <http://www.histedbr.fe.unicamp.br/navegando/glossario/verb_c_padroado2.htm>. Acesso em: 7 jul. 2018.

Publicado
2019-07-19